Símbolo de alta de preços na França, baguete deve continuar cara

terça-feira, 6 de maio de 2008 13:40 BRT
 

PARIS, 6 de maio (Reuters) - A baguete, produto básico na França que se tornou símbolo da alta dos preços de alimentos, não deve ficar mais barata mesmo que o trigo recue dos níveis recordes, disseram panificadores nesta terça-feira.

Para vender os compridos pães a 10 milhões de franceses todos os dias, os padeiros precisam comprar farinha, mas também pagar salários, contas de luz e aluguéis que também tiveram aumentos. Os comentários foram feitos no lançamento de uma campanha para promover o consumo de pães.

"Não é apenas o preço da farinha que faz os preços variarem, tem todos os outros custos", disse Jean-Pierre Crouzet, representante dos produtores de pães e doces da França.

Joseph Nicot, diretor da associação dos moinhos da França, disse que o preço da farinha subiu entre 20 e 25 por cento no último ano. Como a farinha representa somente 15 por cento do custo total de uma baguete, a alta deve ter pouco impacto sobre o pão.

"Os padeiros estão usando a farinha como desculpa."

Mesmo que o consumo de pão tenha caído drasticamente na França no último século --de 800 gramas por pessoa por dia para 140 gramas, em média--, o aumento dos preços neste ano se tornou um símbolo do encarecimento das cestas de compras.

Em muitas partes do mundo a alta dos grãos para recordes históricos disparou protestos, greves e revoltas, causando a morte de dezenas de pessoas.

O preço referencial para o trigo nos Estados Unidos quase triplicou entre março de 2007 e março deste ano.

(Reportagem de Sophie de La Hamaide)