IGP-DI em 12 meses permanecerá acima de 10%, diz FGV

quarta-feira, 7 de maio de 2008 16:11 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A alta do Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna em abril elevou a inflação para um novo patamar e os IGPs devem oscilar acima dos 10 por cento até junho ou julho desse ano, de acordo com a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O economista da FGV Salomão Quadros disse que a taxa de 12 meses do IGP-DI de abril (10,24 por cento) é a mais elevada desde março de 2005. "O IGP-DI não é a meta de inflação, mas mostra os estágios da inflação... durante algum tempo ainda vamos permancer nessa faixa superior a 10 por cento. Estamos observando pressões que podem prosseguir."

Ele se referiu à pressão de alimentos, insumos e commodities. "Quem tem contrato de aluguel vencendo nos próximos meses vai ser afetado. Contrato é igual a casamento. Tem a hora boa e a hora ruim", brincou o economista.

No ano passado, os IGPs da FGV fecharam entre 7,5 e 8 por cento, mas Quadros considera "impossível" fazer uma previsão para esse ano devido às pressões externas sobre os preços.

PRESSÕES

A inflação pelo IGP-DI surpreendeu até a mais pessimista das previsões em abril e atingiu a maior taxa desde dezembro, a1,12 por cento, ante elevação de 0,70 por cento em março.

Economistas previam uma taxa de 0,83 por cento em abril, segundo a mediana de 16 projeções colhidas pela Reuters, que oscilaram de 0,77 a 0,91 por cento.

Pela primeira vez desde o início do ano, os alimentos não foram os únicos vilões da inflação medida pela FGV. Em abril, os produtos industriais tiveram mais peso.

Todos os três componentes do indicador aceleraram a alta, com destaque para o atacado. O Índice de Preços por Atacado (IPA) subiu 1,30 por cento em abril, ante alta de 0,80 por cento em março.   Continuação...