Realização de lucro pesa e Bovespa cai 0,4%, após 5 alta

segunda-feira, 7 de abril de 2008 18:00 BRT
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO, 7 de abril (Reuters) - Após emplacar cinco sessões seguidas de valorização, a Bolsa de Valores de São Paulo foi atingida por um movimento discreto de realização de lucros e fechou os negócios desta segunda-feira em leve baixa.

O Ibovespa .BVSP, que na semana passada subira 6,6 por cento, chegou a esboçar nova sessão de ganhos, mas reverteu, assinalando queda de 0,42 por cento, aos 64.175 pontos. O giro financeiro foi de 5,1 bilhões de reais.

A abertura positiva, patrocinada por notícias animadoras do setor financeiro nos Estados Unidos, gradualmente perdeu força ao longo da sessão, à medida que crescia a preferência de grandes investidores por embolsar os ganhos recentes com ações que tiveram fortes altas.

A reviravolta ganhou força também com o menor vigor dos índices das bolsas norte-americanas. O índice Dow Jones .DJI vacilou bastante, antes de fechar praticamente estável, com alta de 0,02 por cento.

"Havia um espaço para correção, embora limitado", disse Miguel Daoud, sócio da consultoria Global Financial Advisor.

Nesse sentido, um dos alvos preferidos das ordens de venda foram as ações de empresas dos setores de telefonia e de energia elétrica, que estiveram entre as líderes de ganhos na semana passada, e que caíram em bloco.

No setor de energia, as ações preferenciais da Cemig (CMIG4.SA: Cotações), com declínio de 4,5 por cento, a 32,10 reais, foram as mais atingidas, depois que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou a revisão para baixo da tarifa cobrada pela energética mineira em 12,24 por cento, em média.

Dentre as teles, as preferenciais da Oi TNLP4.SA foram os destaques negativos, com queda de 4 por cento, a 45,12 reais.

O movimento atingiu também as ações preferenciais da Petrobras (PETR4.SA: Cotações), as mais importantes do Ibovespa, que caíram 0,37 por cento, a 38,50 reais, mesmo com a alta de quase 3 dólares do barril do petróleo CLc1.

Na contramão, as ações preferenciais da Aracruz ARCZ6.SA deram um salto de 3,5 por cento, a 12,95 reais, seguindo-se à divulgação dos resultados da fabricante de papel e celulose no primeiro trimestre de 2008.