Vale prevê negociação longa e preço maior para minério de ferro

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007 17:43 BRST
 

Por Denise Luna

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O alto preço do minério de ferro no mercado "spot" (à vista) na China, o dobro dos praticados em contratos de longo prazo, é uma sinalização da necessidade de ajuste no valor da commodity em 2008, afirmou o presidente da Vale, Roger Agnelli.

Prevendo uma longa negociação até o preço final, Agnelli afirmou que não apenas a China está com forte demanda, mas o continente asiático como um todo, "a Malásia e a Coréia estão crescendo muito", destacou, e por outro lado a oferta ainda é restrita.

"A distorção da diferença de preço tem que ser corrigida em relação ao spot, o mercado é comprador", afirmou Agnelli a jornalistas após almoço de final de ano.

Presente no evento, o diretor de Ferrosos da Vale, José Carlos Martins, informou que as negociações foram iniciadas pelo Japão e agora vão ser levadas para a China e depois Europa. Sem querer prever um índice, Martins concordou com Agnelli que um dos principais argumentos para a elevação de preços é a disparada do mercado "spot".

"É uma referência da situação de mercado, no processo de negociação o primeiro ponto é a negociação do mercado", explicou.

Martins disse que com o aumento da demanda da China o mercado "spot" ganhou proporções maiores do que no passado, e atualmente negocia cerca de 300 milhões de toneladas, o mesmo volume que é produzido pela mineradora brasileira. Antes não chegava a 100 milhões de toneladas.

"Antes era irrelevante, uma pequena distorção do mercado chinês agora é indicativo e relevante, e serve para atrair minério para China", definiu.

Ele também espera uma negociação mais demorada do que a deste ano, quando o ajuste de minério foi decidido pela primeira vez com a China em dezembro de 2006, uma alta de 9,5 por cento.   Continuação...