Petróleo, futebol e Argentina são destaques em desfile

domingo, 7 de setembro de 2008 16:57 BRT
 

BRASíLIA (Reuters) - O potencial petrolífero nacional, a seleção feminina de futebol e a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, foram os destaques do desfile cívico-militar realizado neste domingo em comemoração ao Dia da Independência, na Esplanada dos Ministérios.

Os "valores do Brasil" foram o tema do evento. Em referência aos recursos naturais do país, foi apresentada uma alegoria simulando uma torre de exploração de petróleo, cercada de crianças vestidas de petroleiros.

Momentos depois, em alusão aos "valores do civismo", uma ala de jovens passou caminhando atrás de uma bandeira da Petrobras. A estatal patrocina o Projeto Jovem Cidadão, do qual esses estudantes fazem parte.

Desde que a Petrobras e seus parceiros descobriram petróleo na chamada camada pré-sal, no ano passado, o governo passou a explorar politicamente o assunto.

O pré-sal é uma faixa em águas ultraprofundas da costa brasileira, do Espírito Santo a Santa Catarina, que pode conter bilhões de barris de petróleo, colocando o Brasil entre os maiores produtores mundiais da commodity. Uma comissão interministerial estuda o destino que será dado ao petróleo do pré-sal.

Integrantes da seleção brasileira feminina de futebol desfilaram na hora em que foram exaltados os "valores do esporte". As jogadores foram muito aplaudidas pela platéia, inclusive pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A equipe conquistou no mês passado a medalha de prata nas Olimpíadas de Pequim.

Outro destaque da cerimônia foi a homenagem feita à Argentina. A bandeira do país vizinho foi carregada pelos participantes do desfile em dois momentos.

A cortesia teve justificativa. Neste ano, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, foi a convidada de honra do presidente Lula.

Em entrevista a jornalistas, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, destacou a importância da visita. "A presença da presidente da Argentina mostra a integração entre Brasil e Argentina e sul-americana", afirmou.   Continuação...