Construção civil e varejo devem elevar demanda por cobre no país

terça-feira, 8 de abril de 2008 10:03 BRT
 

Por Marcelo Teixeira

SANTIAGO, 8 de abril (Reuters) - A demanda por cobre no Brasil deve continuar aquecida em 2008, depois de forte crescimento em 2007, devido ao desenvolvimento do setor de construção civil e às fortes vendas de eletrodomésticos e carros, disseram traders e representantes de minas chilenas de cobre.

Os três setores acima são os que mais demandam o metal básico no setor produtivo e fizeram o consumo de cobre crescer de 10 a 15 por cento em 2007, segundo operadores.

Com a economia brasileira crescendo 6,2 por cento no último trimestre do ano passado, contra igual período há um ano, os participantes do comércio de cobre esperam um 2008 tão forte ou mais intenso.

As vendas de materiais de construção subiram 8,5 por cento no primeiro trimestre deste ano, contra o primeiro tri de 2007, e segundo o IBGE as vendas de eletrodomésticos aumentaram 16 por cento em janeiro na comparação com igual mês do ano passado.

Já o comércio de automóveis bateu recorde trimestral no início de 2008, com 648 mil unidades vendidas, volume 31 por cento maior que o visto de janeiro a março de 2007.

"Nós tivemos um ótimo 2007 para as vendas de cobre no Brasil e certamente teremos um bom 2008", disse à Reuters José Dayller, que representa comercialmente a gigante estatal chilena Codelco no Brasil. Ele participa nesta semana de uma conferência mundial sobre cobre, em Santiago.

"O carro-chefe do crescimento do consumo de cobre no país é o setor de construção civil, estimulado por algumas medidas do governo, e as fortes vendas de eletrônicos e de veículos colaboram", disse Dayller, que também vende produtos de outra estatal chilena de cobre, a Enami.

O Brasil tradicionalmente importa a maior parte do cobre que consome, tanto na forma de concentrado, que é trabalhado por indústrias locais, como em catodos (placas) e vergalhões.   Continuação...