BNDES não vê risco ao controle da Vale em união com Xstrata

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008 14:27 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 7 de fevereiro (Reuters) - O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, afirmou nesta quinta-feira que a modelagem da negociação envolvendo as mineradoras Vale (VALE5.SA: Cotações) e Xstrata XTA.L é compatível com os interesses do governo federal manter brasileiro o controle de uma eventual empresa combinada.

Segundo Coutinho, o modelo assegura a manutenção dos investimentos em mineração no Brasil. "A preocupação do governo é assegurar o controle perene de brasileiros sobre a Vale e assegurar que o fluxo de investimentos no país em mineração, não só em minério de ferro, mas em outras cadeias, esteja mantido, asssegurado e até reforçado com essa operação", disse Coutinho a jornalistas durante apresentação dos resultados do banco em 2007.

"Pelas características preliminares que nós vimos é perfeitamente compatível com essa preocupação do governo, que é uma preocupação absolutamente correta e legítima de salvaguardar e ter certeza de que o interesse nacional está sendo preservado", acrescentou.

O BNDESpar, unidade de participações do banco, integra com outras entidades como o Bradesco e o Previ (fundo de pensão dos funcionário do Banco do Brasil) a Valepar, que detém mais de 50 por cento do capital votante da Vale.

"Não haverá risco ao controle (da Vale). É possível reforçar e compatibilizar com o interesse nacional que é reforçar os investimentos no Brasil, inclusive em áreas conexas como siderurgia", disse o executivo.

Coutinho não soube precisar se as negociações entre a Vale e a Xstrata foram de alguma forma afetadas depois que a empresa chinesa Chinalco comprou uma fatia da Rio Tinto (RIO.L: Cotações), rival de ambas as companhias.

"Os chineses compraram um pedaço grande da Rio Tinto e isso dificultou o bid da BHP sobre a Rio Tinto. A estratégia chinesa é muito clara, é de provavelmente bloquear a concentração no setor porque no fundo eles olham suas fontes de matéria-prima e precisam assegurar preços mais baixos (de minério) e isso mudou um pouco o quadro e as vezes isso tem uma velocidade de negócios que não está na nossa alçada."

O BNDES está avaliando o "mérito" da negociação Vale-Xstrata a pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Coutinho não fez comentários sobre as negociações entre as operadoras de telefonia Brasil Telecom BRTP4.SA e Oi TNLP4.SA. Ele informou apenas que o banco vai se manifestar quando houver um anúncio oficial por parte das empresas.

O BNDES divulgou ainda desembolso recorde em 2007 de 64,9 bilhões de reais, 24 por cento acima do verificado em 2006. No ano passado, os financiamentos para o setor de infra-estrutura cresceram 62 por cento, os financiamentos para indústria caíram 2 por cento enquanto para a agropecuária avançaram 46 por cento.

(Reportagem de Rodrigo Gaier; Texto de Alberto Alerigi)