ATUALIZA-Santander foca em crédito imobiliário no Brasil

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008 15:03 BRST
 

(Texto atualizado com mais informações e declaração de executivo)

SÃO PAULO, 7 de fevereiro (Reuters) - O banco espanhol Santander (SAN.MC: Cotações) anunciou nesta quinta-feira previsão de crescimento em sua carteira de crédito consignado de 35 a 45 por cento e de 100 por cento em negócios com financiamento imobiliário em 2008. Já em financiamento de veículos, o objetivo é alcançar alta de 40 por cento este ano.

"Nosso foco é o crescimento na carteira de pessoa física e também no segmento para pequenas empresas e crédito para grandes corporações e o Brasil é estratégico para esse crescimento", disse o vice-presidente financeiro do Santander no Brasil, Carlos Galan, durante videoconferência a jornalistas sobre os resultados da instituição em 2007.

O executivo afirmou que o banco, após a aquisição do ABN Amro, junto com o Royal Bank of Scotland e Fortis, não tem planos para novas aquisições de ativos no Brasil neste ano. O ABN Amro controla o Banco Real e com a operação o Santander se tornou o 3o maior banco privado do país.

A carteira total de crédito do Santander no país cresceu 17 por cento em 2007, para 43,7 bilhões de reais, na comparação com o ano anterior, quando teve ganho de 37,5 bilhões de reais. O banco não informou projeção para 2008.

As operações com pessoa física tiveram alta de 29 por cento em 2007, para 15,8 bilhões de reais. Os financiamentos imobiliários avançaram 62 por cento, atingindo uma carteira de 2 bilhões de reais. As receitas de prestação de serviço, seguros e capitalização cresceram 26 por cento.

"O banco não está envolvido com a crise no mercado de crédito imobiliário e também não sofreu absolutamente nada com as turbulências no mercado financeiro e por isso nossa estratégia de crescimento está mantida nestes segmentos", disse o vice-presidente de marketing e negócios do banco no país, José Paiva Fernandes.

O Santander encerrou 2007 com ativos totais consolidados no país de 122,355 bilhões de reais, evolução de 14,2 por cento em relação a 2006.

As operações do banco no Brasil registraram lucro líquido de 1,86 bilhão de reais no ano passado, montante 48 por cento acima do 1,26 bilhão de reais apurados em 2006. O resultado representa 34 por cento do ganho que a instituição espanhola teve na América Latina e 11 por cento do resultado total do grupo.

(Reportagem de Wallace Nunes; Edição de Alberto Alerigi Jr.)