ESPECIAL-Preço menor abre caminho para aparelhos de GPS no país

segunda-feira, 7 de julho de 2008 15:39 BRT
 

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado brasileiro de aparelhos de navegação veicular por satélite é incipiente, mas uma frota de cerca de 30 milhões de veículos circulando por um país de proporções continentais está incentivando multinacionais do setor a apostarem em forte crescimento de vendas, puxado por queda nos preços dos dispositivos e câmbio favorável para importações.

Aparelhos alimentados por dados de satélite e que mostram em tempo real ao motorista onde está e qual o melhor caminho a seguir tiveram seus preços reduzidos em cerca de 50 por cento este ano e representantes do setor estimam novas quedas nos próximos meses.

De acordo com estimativas de distribuidores e produtoras de mapas digitais, o Brasil deve encerrar 2008 com vendas de cerca de 120 mil aparelhos veiculares de GPS (Global Positioning System), quase o dobro de 2007.

A tecnologia começou a ganhar corpo no país há cerca de dois anos, depois de alguns anos de expansão em mercados desenvolvidos na Europa.

"O mercado de navegação por GPS tem crescido muito aquém do potencial, se você considerar a base de veículos do país. As pessoas ainda não conhecem muito bem a tecnologia e o GPS conquista pela experimentação", disse Alexandre Derani, sócio-diretor da brasileira Digibase.

A empresa produz mapas digitais sob padrões da TeleAtlas, uma das maiores do mundo no setor e fornecedora dos mapas disponíveis em uma série de aparelhos de navegação vendidos no país. Os mapas são produzidos por meio de veículos que percorrem rua por rua das cidades, registrando pontos de interesse como sinalização, postos de gasolina e até mão de direção das vias, que têm localização checada por satélite. O faturamento vem de uma porcentagem cobrada sobre a quantidade de aparelhos de navegação vendidos que usam os mapas.

Segundo Derani, os negócios da Digibase com o chamado "geobusiness", que envolve planejamento de logística para empresas interessadas em serviços que localizem, por exemplo, que carga está em que caminhão, ainda são os principais geradores de receita para a empresa. "Mas percebemos que a navegação veicular tem um potencial de crescimento que pode superar os outros negócios em três a quatro anos", afirmou. Ele não revelou números de faturamento, mas afirmou que a empresa tem crescido 50 por cento ao ano nos últimos três anos.

PLANOS   Continuação...