RPT-Amorim fala em usar Doha para atenuar crise

terça-feira, 7 de outubro de 2008 07:18 BRT
 

(Repete matéria publicada na noite de 2a-feira)

RIO DE JANEIRO, 7 de outubro (Reuters) - O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, defendeu a aprovação da Rodada de Doha de negociações comerciais para tentar minimizar o contágio da turbulência financeira sobre a economia real.

Segundo Amorim, um acordo comercial nesse momento seria um sinal de bom senso dos países ricos.

"Se houver bom senso essa crise deveria acelerar um acordo de Doha porque ele é um dos poucos sinais postivos que pode ser dado pela comunidade internacional", disse Amorim a jornalistas, depois de participar da Cúpula da América Latina e do Caribe sobre a Integração e Desenvolvimento, que reuniu os Ministros das Relações Exteriores dos países da região.

"(O acordo iria) no sentido de evitar ou pelo menos diminuir os efeitos negativos da crise financeira global sobre a economia real. Isso é o que eu acho que deveria ser", acrescentou o chanceler brasileiro.

Celso Amorim disse que vai viajar nos próximos dias para a Índia para conversar com o ministro de Comércio daquele país para tentar fechar uma posição dentro do bloco dos emergentes. O chanceler também já conversou com representantes comercias dos EUA sobre a flexibilização do comércio mundial.

Amorim destacou que o "sinal de bom senso" para um acordo sobre Doha tem de partir dos países ricos.

"Se nós quiséssemos dar um sinal positivo para a economia mundial seria dando um impulso grande para Doha. A coragem é demonstrar flexibilidade e o Brasil já demonstrou", avaliou Amorim. "É muito importante que aqueles que não demonstraram flexibilidade possam mostrar, sabidamente os mais ricos. Eles tem maior responsabilidade", adicionou.   Continuação...