Lucro da Gol despenca 79% e empresa reduz previsão de ganho

quarta-feira, 7 de novembro de 2007 12:13 BRST
 

Por Denise Luna

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O lucro da segunda maior companhia aérea brasileira, Gol, despencou 79 cento no terceiro trimestre, impactado pelo acidente da líder de mercado TAM em julho, aumento de custos com combustível e crise no setor aéreo brasileiro.

O lucro de julho a setembro pelas normas brasileiras ficou em 49,4 milhões de reais, contra 232,2 milhões de reais há um ano. O fraco desempenho fez a companhia reduzir pela terceira vez no ano suas projeção de lucro por ação, prevendo para 2007 ganho entre 1,40 a 1,80 real, contra estimativa anterior de 1,60 a 2,10 reais, que já estava bem abaixo da meta inicial do ano, de 3,7 e 4,2 reais.

A empresa obteve no entanto receita 20,4 por cento maior, 1,3 bilhão de reais, por conta do acréscimo de passageiros trazido pela Varig, adquirida pela Gol no segundo trimestre.

Pioneira no sistema de baixos custos no Brasil, a companhia fundada em janeiro de 2001 teve que se adaptar nos últimos meses a uma nova malha aérea, mas não reduziu suas horas voadas, base da sua operação. "Apesar da retração forte da demanda ocorrida no mês de agosto, a Gol manteve a taxa de utilização de suas aeronaves em 13,4 horas-bloco por dia", informou a empresa em um comunicado.

A companhia implantou a reestruturação da malha aérea no final de setembro, reduzindo vôos no Aeroporto de Congonhas e distribuindo para outros aeroportos. A mudança foi determinada pelo governo após o acidente da TAM em Congonhas, que matou 199 pessoas em 17 de julho.

O volume de passageiros transportados pela Gol cresceu 15,7 por cento, porém a taxa de ocupação caiu 17,6 pontos percentuais no trimestre, para 61,2 por cento, nível considerado baixo no mercado. "Não gostei do resultado, mas era esperado, depois do acidente da TAM ainda veio aquela bagunça dos aeroportos e só viajou mesmo quem tinha que viajar", disse o analista de um banco de investimentos que pediu para não ser identificado.

As ações da companhia operavam em queda de 0,32 por cento, às 11h54, enquanto o Ibovespa exibia oscilação positiva de 0,02 por cento.

A empresa afirmou no balanço que seu crescimento daqui para frente será influenciado pelo acréscimo de novas e maiores aeronaves, destinos frequências. No quarto trimestre, mais quatro aeronaves 737-800 serão somadas à frota da Gol e mais sete 737-800 e seis 767 à frota da Varig. Com isso, o número de assentos por quilômetro oferecido subirá 77 por cento em relação ao mesmo período de 2006.   Continuação...

 
<p>Foto de arquivo de avi&otilde;es da Gol no aeroporto de Congonhas, em S&atilde;o Paulo. O lucro da companhia, segunda maior do Brasil, despencou 79 cento no terceiro trimestre, impactado pelo acidente da l&iacute;der de mercado TAM em julho, aumento de custos com combust&iacute;vel e crise no setor a&eacute;reo brasileiro. Photo by Paulo Whitaker</p>