França: Betancourt pode não estar tão doente quanto se pensava

segunda-feira, 7 de abril de 2008 08:26 BRT
 

PARIS (Reuters) - Ingrid Betancourt, refém mais famosa das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), pode não estar tão doente quanto se pensava anteriormente, mas a França ainda quer que ela seja visitada por um médico, disse o ministro francês do Exterior na segunda-feira.

A França enviou uma missão médica à Colômbia para tentar obter acesso a Betancourt, uma cidadã franco-colombiana mantida refém na selva colombiana há seis anos pelas Farc. A guerrilha ainda não deu permissão para a visita.

Betancourt, ex-candidata presidencial colombiana, foi sequestrada pelas Farc quando fazia campanha eleitoral em 2002.

A França afirma que ela está muito doente, sofrendo de hepatite e de outras doenças. O filho da ex-candidata presidencial disse que ela morrerá caso não seja submetida a uma transfusão de sangue.

"Temos a impressão não somente de que ela está viva, mas que também está melhor do que foi dito. Mas eu posso estar errado", disse o chanceler francês Bernard Kouchner.

"De todo modo, estamos fazendo tudo como se tivéssemos que libertá-la imediatamente", acrescentou ele, dizendo que o estado de saúde de Betancourt pode ter piorado.

Kouchner disse que a França mantém sua missão de obter acesso a ex-candidata presidencial. "Não vamos desistir depois de 24 horas", disse. "Vamos esperar esse sinal das Farc."

(Reportagem de Francois Murphy)

 
<p>Franceses fazem marcha no dia 6 de abril, pela liberta&ccedil;&atilde;o de Ingrid Betancourt, sequestrada pelas Farc h&aacute; seis anos   REUTERS. Photo by Eric Gaillard</p>