Militares repudiam ministros e lembram passado de luta armada

quinta-feira, 7 de agosto de 2008 20:14 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Militares da reserva classificaram de revanchismo a intenção de integrantes do governo de excluir torturadores da Lei da Anistia, mencionando o envolvimento de ministros com a luta armada contra o regime militar.

Reunidos em ato no Clube Militar, ex-oficiais e ex-ministros repudiaram a posição defendida pelos ministro da Justiça, Tarso Genro, e dos Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, de que a Lei da Anistia não deve valer para torturadores. Os ministros alegam que a tortura não é crime político, perdoado pela anistia, e sim crime hediondo.

"Isso faz parte de um revanchismo organizado que começa depois de 1979 no nosso país", afirmou o general Sérgio Augusto Coutinho, referindo-se ao ano de promulgação da Lei da Anistia.

Ex-chefe do Centro de Inteligência do Exército, o general Coutinho afirmou que a anistia foi uma tentativa de conciliar o país, o que não estaria sendo aceito pelos que a questionam agora.

"(A lei) era para marxistas-leninistas, maus, perversos, que não perdoaram a derrota que sofreram e que ocupam cargos de alto escalão no Estado", afirmou sob aplausos de uma platéia de cerca de 300 militares, entre eles o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-comandante do DOI-Codi de São Paulo nos anos 70, acusado de ter torturado militantes de esquerda.

O general Coutinho mencionou a presença de Brilhante Ustra, dizendo que uma atriz (Beth Mendes) "fingiu" que o reconheceu e declarou que havia sido barbaramente torturada por ele.

"Ele virou emblema da tortura e não descansarão enquanto não fizerem dele o monstro de Sarajevo", disse o militar em alusão ao ex-líder sérvio Radovan Karadzic, acusado de responsável por milhares de mortes na guerra da Bósnia e que está sendo julgado pelo Tribunal Penal Internacional.

FICHAS DE TARSO E VANNUCHI

A pedido do general Gilberto Figueiredo, presidente do Clube Militar, o general Coutinho falou da atuação dos dois ministros durante a ditadura militar. Disse que Tarso Genro, quando jovem, integrou a ala vermelha do Partido Comunista Brasileiro, que posteriormente se aliou a Vanguarda Armada Revolucionária (VAR-Palmares). "Por essa militância foi chamado a depor duas vezes, muito provavelmente no Dops, e quando pressentiu que seria chamado pela terceira vez foi para fora do país", disse o general, acrescentado que o atual ministro voltou ao país com intermediação de "duas figuras ligadas à revolução de 64", que o indicaram para fazer curso no CPOR.   Continuação...