7 de Novembro de 2007 / às 18:29 / em 10 anos

Dólar encerra dia volátil com alta de 0,29%

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO (Reuters) - A forte queda das bolsas de valores prevaleceu no mercado de câmbio e o dólar fechou em alta nesta quarta-feira após uma sessão volátil.

A moeda norte-americana subiu 0,29 por cento, para 1,741 real. No mês, o dólar registra alta de 0,17 por cento.

O mercado de câmbio se viu dividido nesta sessão por dois movimentos diferentes no cenário externo. De um lado, a queda generalizada do dólar ante outras moedas. De outro, a baixa de mais de 1 por cento das bolsas de valores nos Estados Unidos.

O tombo de Wall Street ocorreu por uma combinação de fatores: petróleo perto de 100 dólares, temor de novos problemas no setor bancário e a própria desvalorização do dólar diante das principais moedas.

O euro, por exemplo, bateu novo recorde, acima de 1,47 dólar. A libra esterlina e o franco suíço também operaram em níveis que não eram vistos há vários anos.

O que motivou essa queda do dólar no exterior foram comentários de um importante parlamentar chinês, que defendeu que as trilionárias reservas internacionais do país tenham uma proporção menor de dólares.

Com a atenção dividida no exterior, o mercado não conseguiu definir uma tendência clara para o dólar nesta sessão. Na mínima do dia, a moeda chegou a ser negociada a 1,728 real no pregão à vista da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). Na máxima, o dólar atingiu 1,744 real.

“De manhã (o dólar) esteve um pouco em alta, ao longo da tarde foi caindo, e teve agora uma pequena subida mais em função de ajustes e das bolsas lá fora e mesmo aqui estarem bastante mal”, disse Marcos Forgione, analista da Hencorp Commcor Corretora.

Mas, apesar do braço-de-ferro no cenário externo, a dinâmica interna do mercado manteve a pressão de queda sobre o dólar por causa da contínua entrada de moeda no país.

Dados do Banco Central divulgados nesta quarta-feira ilustraram esse movimento. Em outubro, o país registrou fluxo cambial positivo de 6,722 bilhões de dólares --resultado que marca uma recuperação após o dado praticamente equilibrado de setembro. No ano, a entrada líquida de moeda já supera 76 bilhões de dólares.

“(O fluxo) deu uma reduzida nesses 2 últimos meses por conta do subprime (crédito de alto risco nos Estados Unidos)... Mas mesmo com notícias de Citibank e Merrill Lynch, as coisas estão voltando ao normal”, disse Forgione, em referência à recente queda dos presidentes do maior banco e da maior corretora dos Estados Unidos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below