PANORAMA1-Depoimento de Bernanke deve ter tom duro

quinta-feira, 8 de novembro de 2007 08:31 BRST
 

Por Juliana Siqueira

SÃO PAULO, 8 de novembro (Reuters) - Investidores que gostariam de indicações de um corte do juro norte-americano no discurso do chairman do Federal Reserve ao Congresso nesta quinta-feira podem se frustrar. Bernanke deve dizer que uma desaceleração modesta é insuficiente para levar a outros cortes da taxa.

O chairman do Fed presta depoimento diante do Comitê Conjunto de Economia do Congresso às 13h (horário de Brasília), e deve enfrentar duro questionamento por parte dos parlamentares sobre como o banco central está tratando as renovadas preocupações com crédito que liquidaram bilhões de dólares em lucros de bancos e tiraram dois importantes presidentes de renomadas instituições de Wall Street de seus cargos.

Muitos investidores estão desconsiderando dados que sugerem que a economia está bem e pedindo mais cortes de juros para prevenir o que temem ser uma desaceleração inevitável devido às condições mais apertadas de crédito.

Refletindo a visão do BC de que um crescimento menor nos últimos três meses do ano já está precificado pela política monetária, o presidente do Fed da Filadéfia, Charles Plosser, disse recentemente que seria necessário um crescimento muito menor para que ele apoiasse outra redução.

O diretor do Fed Frederic Mishkin disse na segunda-feira que "pressões inflacionárias indesejáveis" podem aparecer quando bancos centrais agem de forma muito agressiva para evitar desacelerações, acrescentando que os BCs precisam estar preparados para reverter o curso.

O economista do Goldman Sachs Jan Hatzius disse que esses comentários preparam o cenário para o depoimento de Bernanke, que deve enfatizar equilíbrio entre preocupações com inflação e ameaças ao crescimento, à medida que a economia se curva à recessão do mercado imobiliário.

"Mesmo Mishkin --que tem ficado à frente do Fomc na defesa de cortes-- fez discurso imparcial... sem indicações sobre novos cortes, e o chairman Bernanke deve seguir com comentário similar", escreveu Hatzius em nota a clientes.

Mas o alerta do Citigroup (C.N: Cotações) de que pode registrar baixa contábil de até 11 bilhões de dólares ligados a hipotecas de riscos fortalecem as expectativas de Wall Street de novo corte.   Continuação...