Bolsas da Ásia recuam por petróleo recorde

quarta-feira, 7 de maio de 2008 08:22 BRT
 

Por Louise Heavens

CINGAPURA (Reuters) - Os preços do petróleo foram negociados em patamares recordes nesta quarta-feira e as principais bolsas asiáticas recuaram pressionadas por ações de empresas sensíveis ao custo da commodity, como companhias aéreas, que se desvalorizavam.

O petróleo negociado nos Estados Unidos ficou em 121,67 dólares o barril, pouco abaixo do recorde de 122,73 dólares em Nova York. Os preços dobraram no ano passado e o Goldman Sachs -- que tinha previsto que o barril atingiria a marca dos 100 dólares -- agora prevê aumento potencial para 200 dólares o barril.

O aumento nos custos de energia, commodities agrárias e metais de base -- uma dor de cabeça para os bancos centrais, que anseiam conter a inflação -- impulsionou ações no mercado japonês, como a Marubeni, e mineradoras australianas, como a Rio Tinto e a BHP Billiton .

Mas companhias aéreas e algumas refinarias tiveram queda. A empresa aérea mais valiosa do mundo, a Air China, perdeu 3 por cento, enquanto a Singapore Air cedeu 2,4 por cento. A Petrochina despencou 4 por cento.

Às 8h15 (horário de Brasília) o índice MSCI que reúne mercados da região Ásia-Pacífico exceto Japão tinha queda de 1,24 por cento, aos 492 pontos, com alguns investidores ainda não convencidos de que o pior da crise de crédito já tenha passado.

O índice Nikkei da bolsa de TÓQUIO avançou 0,38 por cento, para 14.102 pontos com o mercado fazendo ajustes depois de ficar fechado nas duas sessões anteriores por conta de feriado nacional.

"O setor financeiro provavelmente se manterá um pouco pressionado por enquanto", afirmou Martin Angel Patersons Securities.

"É realmente uma questão das pessoas darem uma segunda chance no momento. Todo mundo gostaria de já ter superado tudo, mas essas coisas não acontecem da noite para o dia."   Continuação...