Trichet do BCE se mantém firme na linha antiinflação

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008 12:37 BRST
 

FRANKFURT, 7 de fevereiro (Reuters) - O Banco Central Europeu está determinado a evitar que pressões inflacionárias de curto prazo se tornem pressões de médio prazo, disse o presidente Jean-Claude Trichet nesta quinta-feira, após o BCE manter a taxa básica de juro em 4 por cento.

"A firme ancoragem das expectativas de inflação no médio e longo prazos é a principal prioridade do Conselho Diretor, refletindo seu mandato", disse ele na abertura de sua coletiva de imprensa mensal.

Trichet manteve sua posição dura na luta contra as pressões sobre os preços e destacou o mandato do BCE de puxar a inflação abaixo de 2 por cento, frente aos 3,2 por cento em janeiro.

"As atuais pressões de curto prazo não podem se tornar de médio prazo", disse. "O Conselho Diretor continua comprometido em evitar efeitos (inflacionários) de segundo turno e a materialização de riscos à estabiladade dos preços no médio prazo".

No entanto, ele aceitou que as turbulências nos mercados financeiros podem afetar a zona do euro. "À medida que a reavaliação do risco nos mercados financeiros continua, permanece uma elevada e pouco usual incerteza sobre seu impacto geral sobre a economia real", disse ele.

Os fudamentos da economia estão bem, mas há riscos, disse ele.

O BCE tem alertado diversas vezes sobre os riscos de um segundo turno de efeitos inflacionários, principalmente de trabalhadores que pedem aumentos saláriais para compensar os aumentos dos custos energéticos e de alimentos.

Mas economistas duvidam que o BCE consiga pôr em prática esses alertas e têm aumentado expectativas de que a instituição irá reduzir a sua taxa de juro, seguindo o corte de 1,25 ponto percentual do Federal Reserve nas últimas semanas. A maioria dos economitas acreditam em um corte no juro da zona do euro até o meio do ano.

(Reportagem de Krista Hughes)