Usiminas quer acelerar expansão no exterior e busca aquisições

terça-feira, 8 de julho de 2008 15:40 BRT
 

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) - A maior produtora de aços planos da América Latina, Usiminas, avalia aquisições de ativos siderúrgicos nos Estados Unidos, Europa e América Central, afirmou nesta terça-feira o presidente-executivo da empresa, Marco Antonio Castello Branco.

Segundo o executivo, a análise de ativos estrangeiros se insere em uma estratégia de aceleração da internacionalização da empresa, que já tem participação de 14,25 por cento na latino-americana Ternium.

"Estamos olhando essas regiões, mas os preços de ativos no exterior estão muito inflacionados e temos prioridade de agregação de valor, não vamos adquirir ativos a qualquer preço", disse o executivo, afirmando que a construção de unidades próprias nessas regiões não está descartada.

"Vamos para o exterior, porque nós queremos usar a competitividade de nossas placas. Queremos participar da competitividade não só exportando, mas também beneficiando as placas no produto final", disse o executivo.

Segundo ele, a oferta de placas de aço de alta qualidade é a base da companhia para criar uma atividade industrial fora do Brasil.

"Temos condições de acelerar nosso programa de verticalização, mas queremos também preservar nosso grau de investimento. Não queremos dar um passo maior que a perna", disse o presidente da Usiminas, que é 25 por cento controlada pela Nippon Steel .

Os comentários do executivo foram feitos durante anúncio de aumento da projeção de investimentos em capacidade de produção de aço e mineração, que consumirão 14,1 bilhões de dólares e envolve a construção da terceira usina da empresa no país, em Santana do Paraíso (MG). Para mais informações clique [ID:nN08284535].

Além de mirar o exterior e ampliar a capacidade de produção de placas no mercado interno, a Usiminas também pensa em eventual diversificação de seus negócios para além do setor de aços planos. A Gerdau, maior produtora de aços longos das Américas, está investindo em produção de chapas grossas em Minas Gerais, seara da Usiminas.   Continuação...