8 de Abril de 2008 / às 18:29 / 9 anos atrás

Exército reforça combate a mosquito da dengue nas ruas do Rio

<p>Ex&eacute;rcito refor&ccedil;a combate a mosquito da dengue nas ruas do Rio. O Ex&eacute;rcito trocou armas e muni&ccedil;&otilde;es por uma bolsa carregada de p&oacute; larvicida para atacar focos do mosquito da dengue nas ruas do Rio de Janeiro. 8 de abril. Photo by Sergio Moraes</p>

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Exército trocou armas e munições por uma bolsa carregada de pó larvicida, nesta terça-feira, para atacar focos do mosquito da dengue nas ruas do Rio de Janeiro, mas especialistas alertam que a medida é ineficaz para combater a epidemia que atinge a cidade.

No primeiro dia de ação do Exército contra o mosquito "Aedes aegypti" nas ruas, os 300 militares, acompanhados de agentes de saúde, visitariam quatro mil imóveis na zona oeste da capital. Em todo o Estado, quase 60 mil pessoas foram infectadas pela dengue e 68 morreram neste ano.

A capital tem a situação mais grave, responde por mais de 41 mil desses casos e já teve 45 óbitos confirmados. Em todo o ano passado, foram 25 mil casos no município, com 26 óbitos.

"Hoje estamos colocando em prática o lado da mão amiga do nosso lema Braço Forte, Mão Amiga", disse à Reuters o tenente-coronel Ugo de Negreiros, comandante da operação de combate aos focos do mosquito na rua, que deve continuar por 30 dias. "É um combate que nosso soldado não está acostumado, a gente não vê o inimigo", acrescentou.

Após receberem o larvicida em uma praça militar no bairro de Relango, os soldados, acompanhados de oficiais, foram bem recebidos nas primeiras casas visitadas na manhã desta terça. Além de aplicar o produto, eles instruíam os moradores a eliminar os potenciais focos de reprodução do mosquito.

Cerca de 1.200 homens do Corpo de Bombeiros já vinham exercendo a mesma atividade dos militares desde o mês passado, mas especialistas criticaram a ação, considerando-a ineficiente para deter a disseminação da doença.

"Num instante de epidemia, não adianta ficar recolhendo criadouro, vaso de planta, caixa d'água, tem é que matar o mosquito adulto através de inseticida", disse por telefone o biólogo Alvaro Eiras, pesquisador da Universidade Federal de Minas Gerais, que criou uma armadilha contra o mosquito da dengue.

A solução apontada por Eiras, cuja invenção permite a identificação de locais com maior infestação do inseto, seriam os carros fumacê, que têm sido pouco vistos pela população do Rio de Janeiro durante o surto deste ano.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, 17 fumacês estão circulando pela cidade diariamente, menos da metade dos 35 carros que estavam em ação durante a epidemia de 2002, que deixou 91 mortes em mais de 280 mil casos no Estado.

Para o entomologista da Fundação Oswaldo Cruz Anthony Érico, especialista no mosquito "Aedes aegypti", a aplicação de larvicida é uma medida paliativa, que tem duração máxima de 20 dias.

"O biolarvicida tem uma ação ativa de apenas 20 dias, se for uma vez só e não voltar mais, não adianta nada", disse. "A aplicação do larvicida é uma coisa pontual e de validade muito rápida", explicou.

Érico acredita que os fumacês também não são adequados para o combate ao vetor, uma vez que "o mosquito da dengue é caseiro", e aponta como solução a educação da população a respeito da doença.

"As pessoas recebem informação mas não são educadas a combater o mosquito. Como o Rio de Janeiro vai conviver para sempre com esse mosquito, a campanha teria que estar nas escolas, para que a criança aprendesse sobre o mosquito."

Antes da participação no combate ao "Aedes aegypti", o Exército já tinha montado um hospital de campanha para ajudar no atendimento de pacientes infectados com a doença. Marinha e Aeronáutica também contribuem no atendimento com hospitais temporários.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below