CÂMBIO-Cautela permanece e dólar opera praticamente estável

quinta-feira, 8 de maio de 2008 10:58 BRT
 

SÃO PAULO, 8 de maio (Reuters) - O dólar operava praticamente estável nesta quinta-feira, refletindo a cautela dos investidores sobre a perspectiva de valorização do real após o grau de investimento.

Às 10h58, a moeda norte-americana BRBY era cotada a 1,689 real, com leve baixa de 0,06 por cento. Na semana, a alta do dólar é de mais de 2 por cento.

"Foi uma correção técnica em relação ao exagero otimista" que ocorreu com o grau de investimento concedido na quarta-feira da semana passada, disse Carlos Alberto Postigo, operador de câmbio do Banco Paulista.

No final da semana passada, o dólar despencou para 1,65 real. Mas a enxurrada de dólares ainda não veio, e os agentes ajustaram suas posições. "Os negócios serão pautados por uma grande cautela dos agentes", acrescentou.

Miriam Tavares, diretora de câmbio da AGK Corretora, lembrou também que a possibilidade de medidas do governo com efeito sobre o câmbio --como a criação de um fundo soberano, por exemplo-- contribuem para a prudência do mercado.

"Os investidores e players devem continuar debatendo e repercutindo a expectativa com relação às eventuais medidas do governo para restringir o ingresso de capital externo especulativo", disse em relatório.

A cautela dos investidores em relação à tendência de curto prazo do dólar se reflete no posicionamento dos agentes no mercado. Sidnei Nehme, diretor-executivo da NGO Corretora, apontou por exemplo que os estrangeiros estão comprados em dólares no mercado futuro, o que indica uma aposta na alta da moeda norte-americana.

De acordo com a Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), as posições compradas dos estrangeiros em dólar saltou de 1,57 bilhão para 4,17 bilhões de dólares entre terça e quarta-feira --considerando os mercados de dólar futuro e de cupom cambial.

"Não há como descartar a possibilidade do preço da moeda americana vir a recuar até 1,60 real. Porém para tanto é necessário que ocorram mudanças de atitudes dos investidores estrangeiros, que parecem um pouco céticos neste momento", analisou Nehme.

No começo da sessão, a alta do dólar diante de outras moedas no exterior deu combustível para o mercado brasileiro, que colocou a moeda brevemente acima de 1,70 real. A pressão externa cedeu, no entanto, após a fala do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude trichet.

(Reportagem de Silvio Cascione; Edição de Cláudia Pires)