BOVESPA-Otimismo com EUA dita alta, mas commodities perdem força

segunda-feira, 8 de setembro de 2008 12:23 BRT
 

SÃO PAULO, 8 de setembro (Reuters) - A perda de fôlego das ações domésticas ligadas a matérias-primas na Bolsa de Valores de São Paulo filtrava o otimismo dos investidores com o socorro do governo dos Estados Unidos às principais agências de hipotecas do país.

O Ibovespa .BVSP ainda se mantinha no azul nesta segunda-feira, mas um pouco distante de Wall Street. Às 12h15, o principal índice da bolsa paulista avançava 1,2 por cento, aos 52.553 pontos, depois de ter chegado a subir mais de 3 por cento nos primeiros minutos do pregão.

O giro financeiro na bolsa era de 2,05 bilhões de reais.

"O plano do governo americano é positivo mas, para nós, só tem efeito direto nas ações de bancos e do setor imobiliário", disse André Hannah, analista da corretora Interfloat.

O plano anunciado no domingo prevê tomada de controle pelo governo das empresas de financiamento imobiliário Fannie Mae FNM.N e Freddie Mac FRE.N, epicentro da crise imobiliária do país que já dura mais de um ano. Ambas devem receber uma gigantesca injeção de capital para se manterem solventes.

Na Bolsa de Nova York, o índice Dow Jones .DJI subia quase 2 por cento, puxado pelas ações de empresas financeiras.

Por tabela, as empresas desses setores eram as que mais subiam também na Bovespa, a despeito de não terem conexão direta com a crise norte-americana.

Dentre as construtoras, Cyrela CYRE3.SA avançava 6,1 por cento, para 19,25 reais. Gafisa GFSA3.SA tinha valorização de 2,7 por cento, cotada a 23,31 reais.

No ramo bancário, as units do Unibanco UBBR11.SA tinham ganho de 3 por cento, avaliadas em 19,26 reais.   Continuação...