Polícia amplia investigação de fraude no Société Générale

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008 11:43 BRST
 

Por Thierry Leveque

PARIS (Reuters) - Uma investigação na França sobre o prejuízo de 4,9 bilhões de euros (7,17 bilhões de dólares) do Société Générale foi ampliada para um segundo operador nesta sexta-feira, enquanto autoridades procuram descobrir se o operador Jerome Kerviel agiu sozinho.

A ampliação do foco da investigação acontece em um momento em que um tribunal se prepara para decidir se Kerviel, operador de 31 anos acusado pelo banco francês por grandes operações não autorizadas, deve ficar sob custódia.

Um fonte legal próxima à questão afirmou que a polícia está interrogando um operador na corretora que executou as ordens para Kerviel. A fonte afirmou que uma detenção provisória de 24 horas havia sido prorrogada por mais um dia.

A corretora é uma subsidiária do SocGen conhecida como Fimat, mas foi rebatizada este ano como Newedge depois que se fundiu com a Calyon Financial. A polícia investigou o escritório da corretora na quinta-feira.

Se a investigação apontar que outras pessoas estiveram envolvidas com as operações ilícitas de Kerviel, os promotores podem ganhar novas bases para as acusações de fraude.

O advogado do SocGen, Jean Veil, afirmou que ainda é "prematuro" fazer qualquer comentário sobre os rumos da investigação.

Kerviel foi colocado sob investigação por quebra de confiança e falsificação, mas foi solto sob supervisão judicial em 28 de janeiro depois que magistrados retiraram as acusações de fraude.

Promotores em Paris apelaram contra a decisão e o resultado da apelação deve ser conhecido ainda nesta sexta-feira.   Continuação...