Presidente-executivo do Bear Stearns deve renunciar, diz jornal

terça-feira, 8 de janeiro de 2008 09:57 BRST
 

Por Tim McLaughlin

NOVA YORK (Reuters) - O presidente-executivo do Bear Stearns, James Cayne, vai abrir mão de seu cargo, mas continuará como presidente do conselho, afirmou o Wall Street Journal na segunda-feira, citando fontes próximas à questão.

Procurado por telefone em sua residência em Manhattam, Cayne não comentou o assunto: "Não posso falar agora, estou com outra ligação".

Cayne, 74 anos, vinha sendo criticado desde que dois fundos hedge entraram em colapso no último verão norte-americano. O quinto maior banco de investimentos dos Estados Unidos também teve prejuízo no quarto trimestre -- o primeiro de sua história -- como consequência de suas apostas em hipotecas de alto risco (subprime).

A empresa relatou baixa contábil de 1,9 bilhão de dólares no trimestre findo em 30 de novembro.

O Bear Stearns deve nomear Alan Schwartz, banqueiro investidor de 57 anos, como novo presidente-executivo, segundo o Wall Street Journal.

Schwartz tem sido apontado como provável sucesso da Cayne desde a saída de Warren Spector, tido como um dos culpados pela quebra dos fundos hedge. Na época, ele dividia a presidência com Schwartz.

Cayne teria começado a comunicar ao conselho no domingo que iria deixar o posto de presidente-executivo, mas que continuaria como presidente do conselho, segundo o jornal.

Em 2007, as açoes do Bear Stearns caíram 52 por cento.

(Reportagem de Christopher Kaufman)