8 de Julho de 2008 / às 13:04 / 9 anos atrás

Daniel Dantas, Pitta e Naji Nahas são presos pela PF

<p>Daniel Dantas, Pitta e Naji Nahas s&atilde;o presos pela PF. O banqueiro Daniel Dantas, do Banco Opportunity, foi preso pela Pol&iacute;cia Federal nesta ter&ccedil;a-feira, acusado de comandar uma quadrilha que usava empresas de fachada para desviar verbas p&uacute;blicas. Foto do Arquivo. Photo by Jamil Bittar</p>

Por Eduardo Simões e Maurício Savarese

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - Figura polêmica do processo de privatização das empresas de telefonia no país, o banqueiro Daniel Dantas, do Banco Opportunity, foi preso pela Polícia Federal nesta terça-feira, acusado de comandar uma quadrilha que usava empresas de fachada para desviar verbas públicas.

Na mesma operação, batizada de Satiagraha, também foram detidas outras duas figuras controversas: o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta e o investidor Naji Nahas.

O grupo de Dantas, segundo o Ministério Público Federal (MPF), cometeu o crime de evasão de divisas por meio do Opportunity Fund, "offshore" no paraíso fiscal das Ilhas Caimã, no Caribe. Segundo laudos, tal fundo movimentou entre 1992 e 2004 quase 2 bilhões de dólares.

"Mas essa operação é tão complexa que nem o próprio cabeça da organização criminosa (Dantas) sabia quantos clientes e quantos recursos havia nesse fundo", afirmou a jornalistas o delegado e coordenador da operação, Protógenes Queiroz.

O volume movimentado pode superar os 2 bilhões de dólares, segundo o delegado, e o dinheiro seria lavado por Dantas também por meio da compra de gado.

O delegado afirmou que Dantas e Nahas mantiveram contatos telefônicos na condição de "cabeças de duas organizações criminosas que eram independentes, mas tinham negócios pontuais".

A operação da PF contou com a participação de 300 agentes, que cumprem 24 mandados de prisão e 56 de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Salvador.

Entre os suspeitos que tiveram a prisão decretada estão operadores do mercado financeiro e Verônica Dantas, irmã do banqueiro.

O MPF acusou Dantas, em nota divulgada em seu site, de usar dois intermediários para tentar subornar um delegado da PF com o objetivo de ter seu nome retirado das investigações.

Segundo o MPF, além de Dantas e de Verônica, outras nove pessoas ligadas ao banqueiro tiveram prisão decretada, entre elas Carlos Rodemburg, sócio e vice-presidente do Opportunity.

O advogado que representa Dantas afirmou, em entrevista coletiva, que a prisão de seu cliente foi "ilegal, arbitrária e desnecessária" e que o banqueiro tem sido perseguido pela PF e pelo Ministério Público, que poderiam "estar atendendo a interesses de alguns segmentos do governo".

O advogado Nelio Machado também atribuiu a prisão de Dantas às disputas societárias em que o banqueiro está envolvido.

"Isto tudo é decorrência daquilo que os jornais chamam da maior disputa societária dos últimos tempos. Existem interesses diversificados", afirmou o advogado, em referência à disputa entre a Telecom Italia e o Opportunity sobre o controle da Brasil Telecom, que está em processo de fusão com a Oi .

Ex-herdeiro político do deputado Paulo Maluf (PP-SP), Pitta é acusado de ter uma conta no exterior e movimentar quase semanalmente vultosos recursos por meio de operações financeiras ilegais, contratadas junto a Nahas. Pitta, que teve os direitos políticos suspensos em 2005, foi prefeito entre 1997 e 2000 e teve uma gestão marcada por acusações de corrupção.

MENSALÃO

A operação da PF é resultado de investigações iniciadas há quatro anos, um desdobramento do escândalo do mensalão. "Na apuração foram identificadas pessoas e empresas beneficiadas no esquema montado pelo empresário Marcos Valério para intermediar e desviar recursos públicos", disse a PF em nota.

O chamado esquema do mensalão envolvia o suposto pagamento de dinheiro a deputados da base aliada do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em troca de apoio no Congresso. As denúncias sobre o esquema derrubaram figuras importantes do governo petista, como o então ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu.

Em 2006, Dantas disse em depoimento no Senado que foi procurado pelo ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, que teria lhe pedido 50 milhões de dólares para o partido.

Segundo o MPF, a Telemig e a Amazônia Celular, empresas nas quais Dantas detinha participação, fizeram depósitos nas contas do empresário Marcos Valério.

Com o andamento das investigações, ainda de acordo com a Polícia Federal, foi descoberta uma outra quadrilha, comandada por Nahas e que seria responsável por "lavar" o dinheiro obtido ilegalmente.

"Além de fraudes no mercado de capitais, baseadas principalmente no recebimento de informações privilegiadas, a organização atuava no mercado paralelo de moedas estrangeiras", afirmou a PF na nota.

O investidor libanês Naji Nahas provocou um terremoto no mercado de capitais do Brasil em 1989. Ele foi acusado de realizar operações ilegais que quebraram várias corretoras e esvaziaram a Bolsa do Rio, principal mercado de ações do país na época.

Após anos de batalha judicial, em que chegou a ser condenado a 24 anos e oito meses de prisão, ele foi inocentado na Justiça e briga contra a BM&FBovespa, herdeira do mercado de ações, por uma indenização bilionária.

Todos os detidos na operação deverão ser indiciados pelos crimes de lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, evasão de divisas e sonegação fiscal.

Com reportagem adicional de Rodrigo Viga Gaier no Rio de Janeiro e Sílvio Cascione em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below