PT pressiona e Marta não tem pressa para decidir candidatura

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008 11:12 BRST
 

Por Carmen Munari

SÃO PAULO (Reuters) - A eleição é em outubro, mas a pressão está em alta no PT para que a ministra do Turismo, Marta Suplicy, tome uma decisão pela candidatura à prefeitura de São Paulo. E o presidente Lula tende a passar ao largo desta questão.

Para o partido, ela é único nome com chances de vitória e não há neste momento outro petista que consiga chegar lá. Ainda assim, a ex-prefeita (2001-2004) não tem pressa em sua decisão e diz que se sente confortável no ministério, que assumiu em março do ano passado.

"A ministra está mais ministra do que nunca", disse um assessor próximo na pasta. Marta disse esta semana que não vai decidir seu futuro político "no afogadilho" até porque ela não considera apenas a disputa pela prefeitura. Tem como foco também a eleição de 2010, quando pode concorrer ao governo paulista.

"Quando ela assumiu o ministério, o horizonte era 2010", confirma o assessor.

Por isso, a ministra levará em consideração não apenas a opinião dos "martistas" (deputados e prefeitos), mas também algumas hipóteses políticas.

Marta deve pesar a possibilidade de perder a prefeitura e seus reflexos nas pretensões ao governo paulista. Se outro petista competir e vencer na capital, será um concorrente ao governo estadual. E, ainda, se a oposição vencer na capital, a ministra terá como obstáculo um prefeito não alinhado.

Neste quadro, Marta não deve esperar a ajuda do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Fonte do Planalto considera que a propalada autorização de Lula para que ela dispute a prefeitura é apenas um pretexto para que ela não tome uma decisão agora. Ao mesmo tempo, é corrente a opinião de que ela é mais importante em São Paulo do que em Brasília.   Continuação...