CÂMBIO-Dólar opera estável em ambiente de volatilidade externa

sexta-feira, 9 de novembro de 2007 10:48 BRST
 

SÃO PAULO, 9 de novembro (Reuters) - O dólar operava estável nesta sexta-feira, em mais um dia de forte volatilidade nos mercados internacionais.

Às 10h43, a moeda BRBY era cotada a 1,745 real, após ter subido 0,57 por cento mais cedo. Na véspera, o mau humor externo fez o dólar fechar em alta de 0,23 por cento mesmo com a entrada de recursos no país.

A turbulência externa atinge o dólar, que era influenciado por dois movimentos opostos no exterior --a queda das bolsas e a desvalorização global do dólar.

As bolsas de valores, que vem registrando perdas desde a metade da semana, eram novamente abaladas por notícias ruins sobre o setor bancário. A baixa tornava os investidores menos dispostos a investir em ativos mais arriscados, o que pressionava o dólar para cima no Brasil.

"A gente pode ver pelo termômetro que é o risco-país 11EMJ. Ele subiu consideravelmente (nesta semana), está em 200 pontos", disse Carlos Alberto Postigo, operador de câmbio da corretora Action.

Nesta sessão, a principal notícia negativa que alimentava a preocupação com o setor financeiro era o anúncio do Wachovia WB.N, quarto maior banco norte-americano, de que a recente crise de crédito provocou uma baixa contábil de 1,1 bilhão de dólares em outubro.

A desvalorização global do dólar, porém, fazia a cotação da moeda norte-americana resistir no mercado brasileiro. "O dólar perdeu no mundo inteiro hoje praticamente. O iene se valorizou bastante, o euro também", disse Gustavo Cunha, operador de derivativos do Rabobank. A moeda única EUR= chegou a bater mais um recorde histórico, a 1,4752 dólar.

Esse efeito se somava à expectativa de entrada de recursos no país, que deve seguir forte neste mês com a abertura de capital da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). O IPO (oferta pública inicial de ações) pode levantar até 4,9 bilhões de reais, e deve atrair muitos investidores estrangeiros.

No mês passado, a entrada de dólares para participar do IPO da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) foi apontada por analistas como um dos fatores que favoreceu a forte queda do dólar no período.