Lula é aconselhado a ter cautela em campanha de Marta

quinta-feira, 9 de outubro de 2008 19:53 BRT
 

Por Natuza Nery

BRASÍLIA, 9 de outubro (Reuters) - Apesar da pressão do PT para que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva participe ao máximo da campanha de Marta Suplicy (PT) à prefeitura de São Paulo no segundo turno, há avaliações no governo de que ele não deve entrar de cabeça na disputa.

"Ele não pode ficar fora da campanha, mas tem que ir devagar", disse um ministro à Reuters.

Segundo o ministro, além de estar mais preocupado neste momento com a crise financeira global, o presidente foi alertado por conselheiros de que uma derrota de Marta se transformaria em derrota pessoal sua no caso de participação ostensiva na campanha.

De acordo com interlocutores do presidente, Lula não queria participar de eventos de campanha imediatamente, mas há muitos pedidos do PT para que ele desembarque em São Paulo na sexta-feira conclamando votos para Marta.

Na agenda oficial do presidente em São Paulo há um intervalo de quatro horas antes de seu retorno para Brasília, e existe a possibilidade de que participe de uma gravação para o primeiro programa eleitoral de Marta na TV.

O presidente pode retornar a São Paulo no sábado, a pedido da primeira-dama Marisa Letícia, que não o acompanhará em sua viagem internacional na próxima semana.

A coordenação da campanha de Marta queria a presença de Lula em reunião com movimentos sindicais, no sábado, e com lideranças evangélicas, na sexta-feira, fatia do eleitorado em que a petista perdeu muito espaço para Gilberto Kassab (DEM).

No domingo, Lula embarca para viagem internacional de uma semana à Espanha, Índia e Moçambique e só retorna ao Brasil no dia 17, à noite.

Marta está em desvantagem de 17 pontos para Kassab, segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira, o que acendeu a luz vermelha em sua campanha. O chefe de gabinete de Lula, Gilberto Carvalho, foi enviado a São Paulo para reforçar a coordenação da campanha.

(Edição de Mair Pena Neto)