PANORAMA2-Mercado no Brasil minimiza pessimismo externo

sexta-feira, 9 de novembro de 2007 19:27 BRST
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 9 de novembro (Reuters) - A turbulência no mercado norte-americano continuou elevada mesmo com a agenda tranquila, e as bolsas em Nova York tiveram o terceiro dia seguido de forte queda.

O pessimismo, porém, teve efeito limitado sobre o Brasil. O dólar fechou praticamente estável, e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) se sustentou para fechar em alta.

O mau humor nos Estados Unidos, que já têm sofrido com os prejuízos no setor financeiro por conta de problemas no mercado de crédito de alto risco, se agravou com a frustração trazida pelos resultados no setor de tecnologia.

A Qualcomm QCOM.N, que desenvolve produtos sem-fio, apresentou uma previsão de lucros e receita em 2008 que decepcionou o mercado e contaminou o setor. O índice Nasdaq .IXIC, termômetro do setor de tecnologia, teve a maior queda entre os três principais índices acionários norte-americanos.

O setor financeiro também trouxe mais notícias ruins. O Wachovia WB.N, quarto maior banco dos Estados Unidos, se juntou a uma série de instituições concorrentes e anunciou uma baixa contábil bilionária em outubro em títulos hipotecários.

E, na agenda econômica, os dados de confiança do consumidor tampouco aliviaram os investidores. Segundo levantamento da Reuters e da Universidade de Michigan, a confiança dos consumidores norte-americanos foi afetada pela alta dos preços de energia e atingiu em novembro o menor nível desde 2005.

As ações norte-americanas não foram as únicas afetadas pela série negativa. O aumento da aversão a risco fez muitos investidores desmontarem operações de arbitragem, o que impulsionou o iene para o maior nível em um ano e meio em relação ao dólar.

Para alguns analistas, a desmontagem em massa desse tipo de operação, conhecida como carry trade, pode disparar uma nova onda de crise global. "O potencial para uma desmontagem adicional... está bem alto agora", disse Michael Metcalfe, estrategista da State Street.   Continuação...