Projetos de investimento estrangeiros em Cuba caem--autoridades

quarta-feira, 9 de julho de 2008 18:03 BRT
 

Por Marc Frank

HAVANA, 9 de julho (Reuters) - As expectativas de que o novo presidente cubano, Raul Castro, iria abrir seu país para mais investidores estrangeiros ainda está por se materializar, segundo declaração à comissão do parlamento publicado nesta quarta-feira.

O jornal Granma, do Partido Comunista, divulgou que haviam menos projetos de investimentos do que quando Raul Castro tomou o poder provisoriamente em julho de 2006, por conta do estado de saúde de seu irmão Fidel.

Citando declarações de uma autoridade de investimento, o jornal divulgou que as companhias estatais estão envolvidas em 234 grupos de investimentos e 12 acordos de produção cooperativa, envolvendo aproximadamente 2 por cento de sua força de trabalho.

No final de 2005, o governo reportou que existiam 258 grupos de investimentos e 115 acordos de produção cooperativa.

Em julho de 2007, Castro pediu mais investimentos estrangeiros, principalmente na agricultura, mas até o momento os únicos acordos assinados e divulgados foram com a Venezuela e contratos de risco para explorar petróleo nas águas cubanas.

Cuba formou 24 novos grupos de investimentos com a Venezuela, sob o governo socialista de Hugo Chávez, que se tornou o aliado mais próximo de Cuba e seu maior benfeitor.

Autoridades afirmaram que apesar dos poucos investidores, investimentos diretos têm aumentado, assim como as receitas e lucros dos grupos de investimentos.

O Estado Cubano controla mais de 90 por cento da atividade econômica e usualmente controla mais de 50 por cento dos grupos de investimentos.