Peru condena ex-militares a até 35 anos por morte de estudantes

quarta-feira, 9 de abril de 2008 08:56 BRT
 

LIMA (Reuters) - A justiça do Peru condenou na terça-feira com 15 a 35 anos de prisão um grupo de ex-militares acusados do sequestro e assassinato de um professor e nove estudantes universitários, caso pelo qual o ex-presidente peruano, Alberto Fujimori, também está sendo julgado.

O ex-chefe do Serviço Nacional de Inteligência, Julio Salazar, foi sentenciado a 35 anos de prisão pela Primeira Sala Penal Anticorrupção, por homicídio qualificado e desaparecimento forçado dos estudantes e dos professor da Universidade de La Cantuta, em 1992. O grupo era suspeito de pertencer à guerrilha maoísta Sendero Luminoso.

A corte condenou também três ex-membros da "Colina", um esquadrão militar da morte, a 15 anos de prisão pelas mesmas acusações.

A justiça, contudo, absolveu outros quatro agentes da "Colina", grupo também acusado da matança de "Barrios Altos", quando morreram 15 pessoas, entre elas uma criança.

Fujimori, que governou o Peru entre 1990 e 2000, atualmente está sendo julgado por violações aos direitos humanos nos massacres de La Cantuta e Barrios Altos.

O ex-presidente, que lutou com mão de ferro contra os grupos rebeldes, se declara inocente.

(Reportagem de Teresa Céspedes)

Tradução Redação São Paulo 5511 5644-7757))