Temor quanto ao crescimento pesa nos mercados asiáticos

terça-feira, 9 de setembro de 2008 07:58 BRT
 

Por Kevin Plumberg

HONG KONG (Reuters) - As bolsas asiáticas recuaram e os papéis de governos subiram na terça-feira, em uma constatação de que a tomada da Fannie Mae e da Freddie Mac pelo governo norte-americano apaziguou alguns riscos decorrentes do mercado financeiro, mas não os resolveu.

Crescentes incertezas sobre as perspectivas da economia global favoreceram o dólar, que atingiu o valor mais alto em um ano ante uma cesta de moedas e outras moedas associadas a segurança e estabilidade, como o iene e o franco suíço.

Em um período de 24 horas, o clima do mercado foi do alívio com o resgate das duas maiores agências hipotecária dos Estados Unidos e fim do temor de uma quebra geral no mercado à precaução quanto a problemas em outras instituições financeiras que ainda devem ser resolvidos.

"A reação de ontem foi um ato reflexo, mas o resultado a longo prazo é que não se pode esperar que a economia norte-americana melhore se o seu setor hipotecário não se acerta", disse Lucinda Chan, diretora de divisões da Macquarie Equities Ltd na Austrália.

O Goldman Sachs rebaixou de atrativa para neutra sua classificação de bancos chineses, cujas ações já foram outrora seguras em um mercado mais sombrio. Entre as razões, analistas do banco citaram o risco de empréstimos arriscados e uma economia em desaquecimento.

Analistas de setor financeiro de alto nível trabalhavam a todo vapor na terça-feira, cortando estimativas de lucro para uma série de bancos.

O índice Nikkei do Japão caiu 1,8 por cento, a 12.400 pontos, puxado por ações de companhias ligadas ao setor de tecnologia ou de demanda, como a Kyocera e a Honda Motor .

O índice de ações asiáticas com exceção do Japão recuava 2,08 por cento, para 367 pontos, depois de registrar o maior ganho em um único dia em 2008 na segunda-feira. Os papéis do setor financeiro na região caíram 2,1 por cento, enquanto o setor de materiais caiu 4,5 por cento.

O índice Hang Seng, de Hong Kong, caiu 1,46 por cento, acumulando neste ano perdas de 26,7 por cento.

Em Taiwan, a queda foi de 3,51 por cento, e em Cingapura, de 0,88 por cento.