Capacidade da Log-In vai crescer 75% este ano com mais 2 navios

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008 16:00 BRST
 

Por Denise Luna

RIO DE JANEIRO, 9 de janeiro (Reuters) - A Log-In Logística Intermodal (LOGN3.SA: Cotações) vai expandir sua capacidade de transporte naval em 75 por cento este ano, com a chegada de dois navios de 1.700 TEUs (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés) cada.

O primeiro a chegar no Brasil, o Log-In Amazônia, vindo da Libéria, começa a operar na próxima semana em uma nova escala para a companhia, que levará produtos desde o porto de Santos, em São Paulo, até Fortaleza, no Ceará.

A rota geral da Log-In vai desde Buenos Aires até Fortaleza, levando principalmente arroz, eletrodomésticos e petroquímicos. Mas, por falta de capacidade em seus navios, eles não tinham condições de realizar novos carregamentos em Santos quando iam no sentido Nordeste e só o faziam na volta.

"Os navios que vinham do Sul já chegavam em Santos cheios, não tínhamos como levar mais (produtos). Agora, o primeiro impacto é a volta da escala em Santos no sentido Nordeste", afirmou a jornalistas o presidente da Log-In, Mauro Dias, durante apresentação do Amazônia.

Mais um navio, o Log-In Pantanal, está previsto para começar a operar em abril, informou Dias. A empresa pagou 182 milhões de reais pelas duas embarcações, recursos provenientes de caixa obtido com o lançamento de ações no Novo Mercado, no ano passado, quando arrecadou 450 milhões de reais.

A empresa pretende afretar ainda mais navios nos próximos anos enquanto aguarda a construção de cinco embarcações pelo estaleiro Eisa, de 2.700 TEUs cada, com previsão de receber o primeiro em 2010. O ritmo do afretamento e o tamanho dos navios vão depender da demanda, segundo Dias, que não antecipou quando irá ao mercado procurar embarcações.

O financiamento da ecomenda ao Eisa, de cerca de 300 milhões de dólares, virá do Fundo da Marinha Mercante com intermediação do BNDES ou do Banco do Brasil (BBAS3.SA: Cotações).

"Nos próximos dois meses vamos definir qual dos dois bancos será o agente", informou. O financiamento poderá chegar a 90 por cento do valor total e o aço para a construção --cerca de 9 mil toneladas-- já foi adquirido da Usiminas (USIM5.SA: Cotações).   Continuação...