April 10, 2008 / 7:43 PM / 9 years ago

Dólar tem 8o dia de queda com projeção de alta do juro

4 Min, DE LEITURA

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO (Reuters) - A perspectiva de aumento dos juros manteve a pressão de baixa sobre o dólar, que fechou em queda pela oitava sessão consecutiva nesta quinta-feira.

A sequência, favorecida pela entrada de recursos e pela temperatura mais amena da crise externa, coincidiu nos últimos dias com a movimentação dos estrangeiros no mercado futuro para apostar a favor da queda do dólar e aproveitar a diferença entre o juro brasileiro e o internacional.

A moeda norte-americana recuou 0,30 por cento, para 1,685 real. Em abril, a queda acumulada é de 3,88 por cento --a última sessão com alta do dólar foi em março.

"A principal situação (que explica a queda do dólar) é essa certeza que o juro será elevado na próxima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central)", disse Vanderlei Arruda, gerente de câmbio da Corretora Souza Barros.

"Isso é um caminho natural para quem busca arbitragem", completou. A decisão sobre a taxa Selic será anunciada em 16 de abril, e o mercado espera uma alta entre 0,25 e 0,50 ponto percentual do juro básico, atualmente a 11,25 por cento.

A maior disposição em realizar operações de arbitragem deixou os estrangeiros mais confiantes para diminuir a proteção no mercado futuro contra uma valorização do dólar.

Dados da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) mostram que, entre 5 e 7 de abril, os estrangeiros realizaram vendas de cerca de 1,71 bilhão de dólares nos mercados futuros de dólar e de cupom cambial. A contraparte desse movimento foi o investidor institucional nacional, que aumentou as compras.

"(É) grande o interesse dos estrangeiros em reverter suas posições de arbitragens especulativas na BM&F", avalia Sidnei Nehme, diretor-executivo da NGO Corretora.

A posição comprada dos estrangeiros, que também equivale a uma aposta na alta da moeda norte-americana, foi montada no auge da crise internacional, em meados de março. Eles ainda sustentavam na quarta-feira, em termos líquidos, cerca de 2,8 bilhões de dólares nessas posições.

Os bancos, que tradicionalmente cumprem o papel de contraparte no mercado futuro para os estrangeiros, continuavam com posições vendidas de quase 5 bilhões de dólares na moeda estrangeira. Isso ocorre, segundo Nehme, porque as instituições financeiras já compraram muitos dólares no mercado à vista --acumulavam quase 10 bilhões no final de março, segundo o BC.

No momento em que os bancos conseguirem se desfazer desses dólares e com a confirmação de nova alta da Selic, eles também poderão atuar como contraparte das operações de arbitragem no mercado futuro e a moeda norte-americana sofrerá outro ciclo de queda brusca, comentou Nehme em relatório.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below