Mantega diz que, sem CPMF, governo terá que aumentar impostos

quarta-feira, 10 de outubro de 2007 12:55 BRT
 

BRASÍLIA, 10 de outubro (Reuters) - Se a renovação da CPMF não for aprovada, o governo terá que reduzir investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) nos Estados ou mesmo aumentar impostos, afirmou nesta quarta-feira o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

"O governo não tem plano B nenhum. Ou aprova ou não aprova, aí o plano B vai ser fazer cortes muito grandes no PAC e nos recursos destinados aos Estados, o que seria muito ruim", disse ao ser questionado por jornalistas se o governo tem um "plano B" caso a prorrogação não passe no Senado.

"Provalvemente eu vou ter que criar outros tributos para compensar a CPMF. Nós temos alíquotas que podemos alterar sem aprovação do Congresso Nacional", acrescentou o ministro, citando como exemplo o imposto sobre importação e o IOF.

Na noite de terça-feira, a Câmara dos Deputados aprovou em segundo turno a prorrogação da CPMF. Agora a medida segue para o Senado, onde o Executivo tem dificuldade em obter maioria.

A receita anual prevista com o tributo é de cerca de 38 bilhões de reais e, mesmo antes da aprovação no Congresso, o valor já foi incluído como receita prevista no projeto de Orçamento da União para 2008.