CONSOLIDA-PIB cresce com investimentos, apesar de ritmo menor

terça-feira, 10 de junho de 2008 13:48 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO, 10 de junho (Reuters) - Apesar de uma desaceleração, a economia brasileira sustentou-se em alta no primeiro trimestre impulsionada pelos investimentos e pela indústria. Caso o ano terminasse em março, o país teria crescido 5,8 por cento e registrado a maior taxa desde 1996.

O Produto Interno Bruto (PIB) avançou 0,7 por cento em relação ao final do ano passado (menor taxa desde o segundo trimestre de 2006) --entre outubro e dezembro de 2007 a economia havia crescido 1,6 por cento sobre os três meses anteriores.

Na comparação com o primeiro trimestre do ano passado, o PIB cresceu 5,8 por cento, num ritmo inferior aos 6,2 por cento do período anterior, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Economistas ouvidos pela Reuters previam expansão de 0,8 por cento e de 5,6 por cento.

"A taxa desacelerou, mas continua sendo bastante expressiva", avaliou a economista do IBGE Rebeca Palis.

A formação bruta de capital fixo --uma medida dos investimentos na economia-- cresceu 1,3 por cento. Na comparação com o mesmo período de 2007, a expansão foi de 15,2 por cento.

Embora essa medida tenha desacelerado levemente, a taxa de investimento atingiu valor equivalente a 18,3 por cento do PIB, melhor primeiro trimestre desde 2000.

Outro motor para a expansão do início deste ano foi a indústria, que cresceu 1,6 por cento na comparação com o quarto trimestre de 2007, enquanto o setor de serviços avançou 1,0 por cento. Já a agropecuária foi o fator negativo, com queda de 3,5 por cento

Na comparação anual, a indústria registrou avanço de 6,9 por cento (melhor taxa desde o segundo trimestre de 2004), com o setor agropecuário crescendo 2,4 por cento e o de serviços, 5,0 por cento.   Continuação...