McCain e Obama evidenciam diferenças sobre política fiscal

terça-feira, 10 de junho de 2008 15:23 BRT
 

Por Jeff Mason

WASHINGTON (Reuters) - Os candidatos à Presidência dos EUA John McCain (republicano) e Barack Obama (democrata) realçaram na terça-feira suas diferenças sobre a futura política fiscal do país -- o primeiro prometeu conceder isenções às empresas, ao passo que o segundo disse que aumentaria os impostos cobrados de muitas delas.

Em um discurso proferido em Washington, McCain acusou Obama de tentar realizar o maior aumento de impostos desde a Segunda Guerra Mundial.

Já Obama, em uma entrevista concedida a um canal de TV, disse que aumentaria os tributos cobrados dos mais ricos e dos que lucram com ações nas bolsas a fim de conceder um desconto fiscal de 1.000 dólares aos membros da classe média.

"Independente de quem de nós vença em novembro, haverá uma mudança em Washington. A questão é saber que tipo de mudança será essa", disse McCain durante uma conferência de pequenos empresários.

Ao canal CNBC, Obama prometeu elevar os impostos cobrados dos norte-americanos que ganham a partir de 250 mil dólares por ano e aumentar os tributos incidentes sobre os ganhos de capital para os que faturam alto ao mesmo tempo em que isentaria os pequenos investidores.

Segundo o democrata, a economia dos EUA encontra-se "desequilibrada há muito tempo."

"De forma que acredito ser justificável o princípio de cobrar mais impostos dos norte-americanos que ganham mais, como é o meu caso, e dar algum respiro para os que não se beneficiaram tanto da nova economia global", disse.

Obama, 46, afirmou, no entanto, que os aumentos citados dependeriam da situação econômica que herdar do atual presidente dos EUA, George W. Bush, caso de fato vença a eleição de novembro.   Continuação...