ANÁLISE-Time da Petrobras e Eike atraem investidor para OGX

terça-feira, 10 de junho de 2008 18:18 BRT
 

Por Denise Luna

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Blocos escolhidos a dedo por quem entende do negócio, garantia de sociedade com um empresário que tem transformado em fortuna oportunidades de negócios e o preço elevado do petróleo estão entre os fatores da forte demanda pela abertura de capital da OGX, do empresário Eike Batista, na próxima sexta-feira.

Especialistas do setor avaliam que a contratação de executivos de peso da Petrobras garantiu a compra de blocos promissores na nona rodada de licitações do governo brasileiro, no ano passado, o que colocou a OGX como maior empresa privada do setor antes de furar um poço sequer.

"A companhia levou um time de primeira linha, gente que sabe o que está fazendo, e com o petróleo a esse preço tem tudo para dar certo (a oferta)", avaliou o geólogo e ex-Petrobras Giuseppe Bacoccoli.

Além do ex-presidente da Petrobras, Francisco Gros, membro do Conselho de Administração da OGX, Eike levou Rodolfo Landim, ex-presidente da BR Distribuidora com 27 anos de casa, e o ex-gerente de Exploração e Produção da Petrobras, Paulo Mendonça.

Luiz Reis, ex-gerente-geral de projetos e exploração, e Nelson Guitti, ex-diretor financeiro da BR Distribuidora, todos com mais de 20 anos de casa, também deixaram a estatal atraídos pelos agressivos salários oferecidos por Eike.

Segundo fonte da empresa, o plano é levar aos poucos mais profissionais da estatal, "mas bem aos poucos, porque senão acham que é declaração de guerra", disse a fonte.

Um time desse quilate, que ainda conta com mais de 10 funcionários de escalões menores também vindos da estatal, seria, na avaliação do consultor Adriano Pires, o maior trunfo de Eike.

"Quem escolheu os blocos da bacia de Campos, por exemplo, tinha total conhecimento, e isso deixa o investidor mais seguro... o Eike além de empreendedor não teme risco e tem sorte", avaliou Pires.   Continuação...