Aécio insinua que direção do PT é arrogante e defende aliança

terça-feira, 10 de junho de 2008 18:34 BRT
 

BELO HORIZONTE (Reuters) - O governador Aécio Neves (PSDB) fez duras críticas à posição do Diretório Nacional do PT de impedir a aliança com tucanos para a eleição à prefeitura da capital mineira.

Sem se referir diretamente, mas em clara alusão ao partido do prefeito Fernando Pimentel (PT), Aécio afirmou que no PSDB "não há arrogância de direção nacional".

"No caso do PSDB, há um grande respeito pelas decisões locais. Não há intervenção", afirmou, durante inauguração de um centro de saúde em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Aécio defendeu mais uma vez a aliança com o PT na cidade e acusa lideranças petistas de estarem tomando as decisões sem levar em conta a posição de parte do diretório municipal do partido, que defende a coligação.

"Qual é o melhor caminho? Continuar convergindo, continuar apostando em parcerias, fazendo com que essas parcerias melhorem a vida das pessoas ou fazendo prevalecer a decisão de alguém que está muito distante da realidade ou até mesmo do sentimento do nosso Estado?", indagou.

Nem todos no diretório do PT em Belo Horizonte defendem a aliança. Lideranças nacionais do partido reuniram-se na segunda-feira com petistas da capital mineira contrários à coligação para definir as estratégias a serem adotadas na convenção de sábado, que definirá a posição a ser encaminhada à Executiva Nacional.

Caso a decisão seja contrária à determinação do Diretório Nacional, de não fazer aliança com PSDB e PPS na cidade, a direção do partido não descarta a possibilidade de intervenção.

Durante entrevista, Aécio também confirmou a intenção de fazer aliança formal com o PSB, partido de seu ex-secretário de Desenvolvimento Econômico e pré-candidato à prefeitura da capital mineira, Márcio Lacerda. Ele disse que o acordo deverá ser fechado no início da próxima semana, quando se reunirá em Belo Horizonte com o governador Eduardo Campos, presidente do PSB.

"Tenho falado com ele permanentemente. É um grande amigo. Temos grandes parcerias hoje também como governadores de Estado. Então, da nossa parte, não há qualquer turbulência. A aliança está consolidada. Caberá ao PT decidir o seu caminho", concluiu. (Reportagem de Marcelo Portela)