Confiança do consumidor permanece em alta apesar de crise--CNI

sexta-feira, 10 de outubro de 2008 15:19 BRT
 

BRASÍLIA, 10 de outubro (Reuters) - Dados sobre a confiança do consumidor divulgados nesta sexta-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) indicam que as pessoas físicas ainda não se ressentiam, em setembro, dos efeitos da crise financeira global.

No terceiro trimestre do ano, a confiança do consumidor aumentou 5,3 por cento frente ao período anterior e atingiu o segundo maior nível da série, iniciada em 2001, a 115,6 pontos.

A sondagem foi feita entre os dias 19 e 22 de setembro, após uma semana em que os mercados globais reagiram com enorme volatilidade às notícias do colapso do Lehman Brothers LEH.N e da aquisição da Merrill Lynch MER.N pelo Bank of America (BAC.N: Cotações).

"O consumidor responde (o indicador de confiança) com o bolso, de acordo com sua própria situação", afirmou o economista-chefe da CNI, Flávio Castelo Branco, em comunicado. "Ele participou da pesquisa num momento ainda de bom emprego, de crescimento da renda."

A CNI prevê que a demanda interna no país permanecerá aquecida até o final do ano. "A dúvida fica para a partir do início de 2009", acrescentou Castelo Branco.

(Reportagem de Isabel Versiani; Edição de Daniela Machado)