Lula divide ato com Marta e vê preconceito contra a petista

sexta-feira, 10 de outubro de 2008 19:28 BRT
 

SÃO PAULO, 10 de outubro (Reuters) - Em ato para reforçar a candidatura de Marta Suplicy (PT), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta sexta-feira que a candidata à prefeitura de São Paulo é vítima de preconceito por parte do eleitor de poder aquisitivo elevado.

"Eu estou convencido que esta mulher sofreu campanha de preconceito exatamente pelas coisas boas que fez por São Paulo", disse Lula, durante encontro com lideranças evangélicas.

Na primeira pesquisa de intenção de votos após o primeiro turno, Marta apareceu 17 pontos atrás do prefeito Gilberto Kassab (DEM), o que levou o governo federal a reforçar sua campanha.

Entre as iniciativas para a população mais carente da ex-prefeita que administrou a cidade entre 2001 e 2004, Lula mencionou os CEUs (Centro Educacional Unificado) e o bilhete único usado no sistema de transporte.

O presidente disse que sabe o que é esse sentimento melhor do que ninguém.

"Ninguém tem mais horas de preconceito nas costas do que eu, inclusive por parte da igreja evangélica. Diziam que eu ia fechar a igreja", afirmou a uma platéia de pastores.

Entre as "mentiras" sobre seu governo, o presidente citou as versões sobre o Bolsa Família -- "diziam que o Lula estava criando vagabundos, que ganhavam dinheiro de graça" -- e sobre o Prouni, de que ele iria baixar o nível da universidade brasileira.

Lula voltou a afirmar que tem identidade de projetos com Marta, que são os dois do mesmo partido, e que em São Paulo é preciso governar tanto para a Avenida Paulista quanto para a periferia.

Marta fez um discurso voltado para questões locais que afetam os evangélicos. Ela chegou a admitir que pode rever aspectos da lei da Cidade Limpa, criada por Kassab, que tirou a poluição visual de São Paulo.   Continuação...