Saldo comercial chinês diminui, analistas apontam distorções

segunda-feira, 10 de março de 2008 09:20 BRT
 

Por Zhou Xin e Jason Subler

PEQUIM, 10 de março (Reuters) - O governo chinês divulgou nesta segunda-feira uma forte diminuição no saldo comercial do país, mas economistas disseram que os dados caíram por conta das distorções geradas pelo calendário do Ano Novo Lunar.

O saldo comercial encolheu de 19,5 bilhões de dólares em janeiro para para apenas 8,56 bilhões de dólares em fevereiro e 23,8 bilhões de dólares no mesmo período do ano anterior, segundo dados do governo.

Os economistas estimavam um saldo de 21,9 bilhões de dólares e explicaram o erro na previsão apontando as diferenças no calendário: as fábricas fecham em momentos diferentes do ano dependendo da época do Ano Novo Lunar no país.

A mudança mais significativa, segundo o governo, foi um aumento de 6,6 por cento nos preços de fábrica nos 12 meses até fevereiro, o mais rápido em mais de três anos e apontando para um aumento nos preços para o consumidor nos dados a serem divulgados na terça-feira.

As importações subiram 35,1 por cento em fevereiro, impulsionadas por altas recordes no preços do petróleo, commodities e matérias primas.

O premiê Wen Jiabao declarou em seu relatório anual ao Parlamento na semana passada, disse que a luta contra inflação deve ser a prioridade econômica, apesar das nuvens pairando sobre o crescimento global.

O forte clima frio também afetou a produção e as embarcações agendadas para este ano, impactando os números também mais para frente.

"Juntar os números de janeiro e fevereiro certamente faz muito mais sentido do que somente olhar os dados de fevereiro. Isso implicaria que o crescimento nas exportações diminuiu um pouco, que é a tendência que esperamos para o ano todo", afirmou Paul Cavey, economista na Macquarie Securities em Hong Kong.

O saldo nos doze meses caiu de 265,5 bilhões de dólares em janeiro para 250,6 bilhões de dólares em fevereiro.

Nessa medida, o saldo foi 22 por cento maior em fevereiro de 2007, bem abaixo dos 48 por cento de aumento em 2007 e 74 por cento em 2006.