JURO-Maioria dos DIs aproveita melhora externa e fecha em baixa

quarta-feira, 10 de setembro de 2008 16:18 BRT
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 10 de setembro (Reuters) - A maioria das projeções de juros terminou a quarta-feira em baixa na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), aproveitando o cenário externo mais brando para devolver parte da alta dos últimos dias.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) janeiro de 2010 caiu de 14,82 por cento para 14,71 por cento ao ano, e o DI janeiro de 2012, o segundo mais negociado no pregão, recuou de 14,25 por cento para 14,04 por cento.

O mercado internacional, apesar de volátil, não repetiu a turbulência da véspera. As bolsas de valores subiam no final da tarde, e o dólar avançava no Brasil na mesma proporção que no exterior.

"Foi um ajuste", disse Marcelo Voss, economista-chefe da corretora Liquidez. "Chegou a um nível de prêmio (nas taxas futuras de juros) que não tinha mais sustentação."

As taxas mais curtas, no entanto, fecharam em alta após a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil no segundo trimestre. O país cresceu 1,6 por cento em relação ao trimestre anterior, ritmo maior que o esperado e que, segundo alguns analistas, abre espaço para um aperto monetário mais prolongado pelo Banco Central.

Para a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) desta quarta-feira, há consenso no mercado: novo aumento de 0,75 ponto percentual, levando a Selic para 13,75 por cento. A expectativa, segundo Voss, é pelo comunicado que vai ser divulgado junto com a decisão.

O interesse do mercado é saber a postura do BC diante da crise externa --tanto em relação aos problemas no setor financeiro quanto em relação à queda das commodities.

No começo da manhã, o BC recolheu 22,426 bilhões de reais dos bancos para controlar a liquidez do sistema financeiro. A operação teve prazo de um dia, com remuneração de 12,93 por cento ao ano.

(Edição de Daniela Machado)