Lobão defende tarifa para leilão de Jirau em R$91

quinta-feira, 10 de abril de 2008 10:09 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse que o governo manterá em 91 reais por megawatt hora o preço máximo da energia a ser produzida pela usina hidrelétrica de Jirau, no complexo do Rio Madeira, que será leiloada no mês que vem.

O ministro afirmou que o governo não vai acatar a sugestão do Tribunal de Contas da União (TCU) de reduzir o preço máximo para 85 reais.

"O preço será de 91 reais, como estabelecido pelo ministério. A EPE (Empresa de Pesquisa Energética) aconselhou este valor e nós aceitamos", disse Lobão a jornalistas, nesta quinta-feira, durante seminário sobre energia.

Segundo o ministro, a redução do preço-teto poderia provocar uma diminuição da competição entre os consórcios de empresas interessadas, já que a remuneração aos empreendedores seria menor.

"Não podemos desestimular a competição. A medida que você coloca o preço extremamente baixo, você desestimula a competição", acrescentou Lobão.

O argumento do TCU para a redução do preço máximo da energia a ser vendida aos distribuidores de Jirau é que a execução da obra poderia ficar 1 bilhão de reais inferior ao orçamento de 8,7 bilhões de reais, previsto em estudo da EPE.

"O TCU apresentou a proposta ao governo, o TCU faz sugestões e não determinações. As sugestões são de boa fé, mas se for menor que 91 reais estaremos desestimulando a competição", disse o ministro.

O edital com o preço que vai a leilão será publicado nos próximos dias, após reunião de integrantes do ministério com representantes da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

O governo vai decidir nos próximos dias como será a participação das subsidiárias da Eletrobrás no leilão. A primeira usina do complexo foi vencida pelo consórcio Furnas-Norberto Odebrecht.   Continuação...