October 10, 2008 / 4:17 PM / 9 years ago

Paes se apresenta como candidato da mudança e ataca Gabeira

3 Min, DE LEITURA

RIO DE JANEIRO, 10 de outubro (Reuters) - Ao receber o apoio do PCdo B nesta sexta-feira para o segundo turno das eleições à prefeitura do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB)procurou mostrar que é a sua candidatura que representa a mudança, e não a do adversário Fernando Gabeira (PV), apoiado pelas forças que estão no poder na cidade.

Paes disse que Gabeira esconde as suas alianças com DEM e PSDB, que revelam o caráter de continuidade da candidatura do rival. Com o apoio do PCdo B, Paes já tem nove partidos o apoiando no segundo turno.

"Tentamos nos diferenciar do nosso adversário que tem apoios escondidos por debaixo do pano. Nossas tratativas se dão de forma transparente", disse Paes em seu discurso.

A candidata Jandira Feghalli (PCdoB), quarta colocada no primeiro turno, tachou Gabeira de representante da direita e afirmou que a candidatura dele está diretamente ligada à sucessão presidencial de 2010.

"Queremos garantir a mudança real e verdadeira. Eles tentam esconder, mas é uma candidatura com apoio do PSDB-DEM, uma aliança que pode dar Cesar Maia para o governo do Estado em 2010 e o PSDB para a presidência. Esse é o acordão que está previsto", disse Jandira ao declarar seu apoio a Paes.

O candidato do PMDB também assumiu o discurso de 2010 e se apresentou como o representante da base de apoio ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Estamos tratando, sim, da eleição de 2008 e pavimentando o caminho para 2010, que é o apoio ao sucessor do presidente Lula. Cada vez que o apoio a minha candidatura aumenta, fortalece o presidente Lula no Rio de Janeiro", disse Paes.

A reaproximação entre Paes e Lula, negociada pelo governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), só foi possível, segundo Jandira, depois que Paes pediu desculpas ao presidente.

"Ele (Lula) vai gravar para Eduardo Paes no segundo turno. São as informações que nós temos", disse Jandira, causando um certo constragimento a Paes ao falar sobre o pedido de desculpas.

O peemedebista disse que não pediu desculpas a Lula, mas reconheceu que usou expressões "exageradas" à época da CPI dos Correios. Paes procura tratar essa questão como passado e disse que vai se encontrar novamente com Lula nesta sexta-feira, em São Paulo.

O apoio do PCdoB a Paes foi condicionado a um compromisso com o programa que o partido defendeu no primeiro turno. Paes assinou um termo com 14 ítens nas áreas de saúde, educação, transporte, meio-ambiente, ciência e tecnologia, cultura, esporte e geração de emprego.

Reportagem de Rodrigo Viga Gaier, Edição de Mair Pena Neto

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below