Petróleo nos EUA sobe por problemas em refinarias, frio e Chávez

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008 19:05 BRST
 

NOVA YORK, 11 de fevereiro (Reuters) - Os preços futuros de petróleo nos Estados Unidos fecharam em forte alta pelo terceiro dia seguido nesta segunda-feira, impulsionados por uma frente fria no nordeste do país, problemas em refinarias e a ameaça da Venezuela de suspender o abastecimento aos EUA por conta da disputa judicial com a petrolífera Exxon Mobil.

Na Nymex, o contrato março CLH8 subiu 1,82 dólar e fechou cotado a 93,59 dólares por barril, tendo sido negociado entre 90,92 e 94,72 dólares, maior patamar desde 10 de janeiro.

O petróleo tipo Brent negociado Londres teve alta de 1,44 dólar, para 93,38 dólares por barril.

Uma queda de energia no domingo fechou todas as unidades da refinaria de Delaware City, que refina 182 mil barris por dia. Mas a Valero Energy (VLO.N: Cotações) informou que a unidade de petróleo bruto já havia retomado as atividades.

Outra falta de energia, em Lake Charles, Louisiana, também afetou uma refinaria de 430 mil barris por dia da Citgo, mas as operações estavam sendo retomadas.

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, ameaçou no domingo parar de enviar petróleo aos EUA se o país não parar uma "guerra econômica", incluindo o processo da norte-americana Exxon Mobil (XOM.N: Cotações) congelando 12 bilhões de dólares em ativos da Venezuela.

O Departamento de Estado dos EUA relatou esperar que o governo venezuelano respeite a lei internacional ao lidar com a batalha judicial com a Exxon.

(Reportagem de Gene Ramos e Robert Gibbons)