SAIBA MAIS-País depende da Bolívia para metade do gás consumido

quinta-feira, 11 de setembro de 2008 18:02 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Brasil, com contrato para receber entre 30 e 31 milhões de metros cúbicos diariamente de gás, tornou-se dependente do produto da Bolívia após acordo firmado em 1999.

A Petrobras investe para aumentar a produção doméstica e também está construindo terminais de Gás Natural Liquefeito (GNL) para reduzir a dependência em relação ao país vizinho.

Nesta quinta-feira, o país ficou mais uma vez à mercê dos acontecimentos na Bolívia quando o envio foi suspenso por mais de sete horas devido a um incidente relacionado à violência política que assola o país.

A seguir, veja detalhes da relação energética entre os dois países e as crises já ocorridas nos últimos anos.

*O acordo para construção do gasoduto é assinado entre Brasil e Bolívia em 1997. O gasoduto tem 3.150 quilômetros, sendo 557 na Bolívia e 2.593 no Brasil.

*A Bolívia tem a segunda maior reserva sul-americana de gás natural, depois da Venezuela, e fornece o produto para Brasil e Argentina.

*O contrato para fornecimento de gás natural da Bolívia para a Petrobras é assinado em 1999 com limite de 30 milhões de metros cúbicos diários, o equivalente a 200 mil barris diários de petróleo. O contrato tem duração até 2019.

*Evo Morales, primeiro presidente indígena boliviano, é eleito em 2006 e anuncia a nacionalização de ativos de hidrocarbonetos no país e exige rever contrato com Brasil.

*Petrobras suspende imediatamente investimentos de 2 bilhões de dólares para duplicação do gasoduto Bolívia-Brasil após nacionalização no país vizinho, o que aumentaria a dependência da empresa do gás boliviano.   Continuação...