Corte de gás da Bolívia será resolvido nesta 5a--fontes

quinta-feira, 11 de setembro de 2008 13:38 BRT
 

Por Fernando Exman e Denise Luna

BRASÍLIA (Reuters) - O governo recebeu no início da tarde desta quinta-feira a informação de que o problema que causou a redução de 50 por cento no envio de gás para o Brasil se deveu à falha técnica em uma válvula do gasoduto e não a um atentado da oposição ao governo de Evo Morales, disseram fontes do governo sob anonimato.

"Foi um alívio, não foi atentado, foi defeito e de tarde deve estar resolvido", disse uma das fontes.

A expectativa é de que a solução ocorra até às 16 horas, não trazendo maiores transtornos ao Brasil. Um plano de contingência, no entanto, está sendo montado para suprir o corte de 3 milhões de metros cúbicos de gás boliviano decorrente do incidente de quarta-feira.

Mais cedo, um assessor do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, informou à Reuters que uma reunião ao longo do dia daria as coordenadas do plano de contingência para enfrentar a redução do fornecimento.

O Transierra, consórcio operador do sistema de transporte de gás, havia dito em comunicado que uma válvula de segurança fora manipulada interrompendo metade do fornecimento da Bolívia para o Brasil.

O Brasil recebe diariamente cerca de 31 milhões de metros cúbicos de gás natural da Bolívia, metade do consumo do mercado brasileiro. O corte de 50 por cento do abastecimento levaria a um plano de contingência mais complexo do que o existente, elaborado em 2004 pela Petrobras.

Pelo plano atual, a estatal poderá deixar de usar gás natural nas suas refinarias; na reinjeção de gás nos poços de produção para aumentar a rentabilidade; assim como tirar de operação as suas usinas térmicas a gás, mantendo as de óleo combustível ou diesel.