Argentina reabrirá exportações de combustíveis após acordo

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008 16:42 BRST
 

BUENOS AIRES, 11 de janeiro (Reuters) - O governo argentino fechou nesta sexta-feira um acordo com as principais petrolíferas do país para trazer os preços dos combustíveis aos níveis de 31 de outubro, e, uma vez constatada essa baixa, reabrir as exportações proibidas esta semana, afirmou uma fonte governamental.

O acerto foi feito com as subsidiárias das empresas locais da Petrobras (PETR4.SA: Cotações), Esso, da Exxon Mobil Corp (XOM.N: Cotações), e Repsol-YPF (REP.MC: Cotações).

Uma vez cumprida a redução de preços acordada, o governo se comprometeu a "liberar a permissão para exportar" combustíveis líquidos, afirmou a fonte.

As autoridades tinham suspendido as vendas externas de diesel e gasolina na segunda-feira, devido a uma escassez nos postos de gasolina e a uma forte alta nos preços. O objetivo da suspensão é aumentar a oferta no mercado interno e pressionar os preços.

Na administração do ex-presidente Néstor Kirchner, que foi sucedido pela sua mulher, Cristina Fernández de Kirchner, o governo estabeleceu restrições às exportações de carne e trigo, com o objetivo de assegurar a oferta doméstica e manter os preços controlados.

As restrições às exportações de trigo prejudicam especialmente ao Brasil. [ID:nN09586317]

A adequação dos valores "começará nesta tarde", acrescentou a fonte.

(Reportagem de Damián Wroclavsky)