Colômbia nega à guerrilha status político pedido por Chávez

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008 20:58 BRST
 

BOGOTÁ (Reuters) - A Colômbia rejeitou na sexta-feira uma solicitação do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, para que reconheça as duas principais guerrilhas do país como forças insurgentes com projetos políticos e deixe de considerá-las grupos terroristas.

"Todos os grupos violentos da Colômbia são terroristas. Terroristas são as Farc, o ELN, os paramilitares em processo de desmantelamento. São terroristas por atentar contra uma democracia respeitável e por seus métodos de extermínio da humanidade", informou um comunicado da Presidência.

"O governo da Colômbia por nenhum motivo aceita que se retire destes grupos o qualificativo de terroristas e que lhes dêem status de beligerância", completou o comunicado.

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), com 17.000 combatentes, e o Exército de Libertação Nacional (ELN), com 5.000 homens, estão na lista de organizações terroristas dos Estados Unidos e da União Européia.

A Colômbia lembrou que os grupos guerrilheiros se financiam do narcotráfico, sequestram, põem bombas de forma indiscriminada, matam crianças e mulheres e utilizam minas que tiram vidas de inocentes.

(Reportagem de Luis Jaime Acosta)