Área é isolada em Rondônia após suspeita de febre aftosa

quinta-feira, 11 de outubro de 2007 09:29 BRT
 

SÃO PAULO, 11 de outubro (Reuters) - Uma fazenda de produção de leite em Rondônia foi isolada após uma suspeita de febre aftosa em um animal do rebanho, informou o Ministério da Agricultura nesta quinta-feira.

Um bezerro na propriedade apresentou sintomas parecidos com os da aftosa, mas um diretor do ministério praticamente descartou a possibilidade de confirmação da doença.

"O proprietário comunicou a suspeita e realizamos o procedimento padrão. A área foi isolada e amostras foram enviadas para um laboratório", afirmou à Reuters por telefone o diretor do Departamento de Saúde Animal do ministério, Jamil Gomes de Souza.

"Mas a aftosa está praticamente descartada. O animal tem apenas 35 dias, só mama, e a mãe foi vacinada", acrescentou Souza, informando que o mais provável é que os sintomas estejam relacionados a uma infecção no umbigo do animal, que não teve boa cicatrização.

Amostras de sangue e mucosa do bezerro foram encaminhadas para o Lanagro (Laboratório Nacional Agropecuário) de Belém.

A fazenda fica no município de Theobroma, a aproximadamente 300 quilômetros da capital Porto Velho.

Rondônia possui status de zona livre de aftosa com vacinação, reconhecido pela OIE (Organização Mundial de Saúde Animal), podendo exportar carne bovina.

Segundo Jamil Gomes de Souza, vários casos parecidos com o de Rondônia têm sido reportados no Brasil recentemente, desde que foi estabelecido um procedimento padrão para o combate à aftosa. Mas não houve confirmação de novos casos da doença no país desde 2005, quando surgiram focos no Mato Grosso do Sul.

O Brasil é o maior exportador mundial de carne bovina e tem buscado eliminar problemas com febre aftosa, que já foram muito comuns no passado.

A aftosa não é perigosa para humanos, mas países costumam barrar os produtos dos lugares afetados temendo prejuízos aos seus rebanhos.